Dimenstein: minha lição com Danilo Gentili para Flávio Bolsonaro

Por: Gilberto Dimenstein Comunicar erro

Quem não deve não teme.
Não importa quanto você apanhe, mas se não dever nada acabará com a razão.
Mantenha a calma, peça para ser investigado, abra todas as gavetas, não tenha medo de olhar nos olhos. Não se renda ao massacre. Coloque tudo na luz.
Por causa do caso de Flávio Bolsonaro, gostaria de compartilhar uma experiência que tive neste mês com o humorista Danilo Gentili – e serve como lição para lidar com a mentira.
O debate sobre o politicamente correto ( que defendo) me fez entrar numa batalha digital com Gentili que, além de ser inteligente, lidar bem com a palavra e a imagem, tem dezenas de milhões de seguidores fieis, alguns até fanáticos, conectados às redes sociais. Mais: ele tem o prazer da zoeira.
Eu só tinha uma arma: argumentos.
Gentili resolveu inventar que eu teria uma dívida com ele, garantindo que eu seria “caloteiro”.
Com sua habilidade digital, colocou em primeiro lugar nas trending topics #DimensteinPagaOgentili.
Recebi nos meus canais centenas de milhares – isso mesmo, centenas de milhares – de mensagens pedindo para eu pagar o Gentili.
Fiz a única coisa que eu podia fazer, apesar da desvantagem na batalha digital.
Mostrei, com provas, que eu não havia dívida nenhuma.
O que houve, de verdade, foi o seguinte. Entrei com um processo contra o Danilo: ganhei a primeira fase, perdi a segunda.
A juíza determinou que eu pagasse às custas aos advogados do humorista: mil reais.
Ocorre que os advogados não mandaram a cobrança. Logo, não havia “calote”.
Pedi por várias vezes que Danilo mostrasse que eu era “caloteiro”.
Mas, na guerra das redes sociais, berrar é mais importante que argumentar.
E ele sabe berrar alto com seus seguidores.
Quanto mais ele berrava com a mentira, mais eu apenas pedia um comprovante de que eu estava em dívida.
Os formadores de opinião passaram a prestar atenção na briga – e constataram o poder de manipulação do humorista.
Mostrei então com dados como uma Fake News consegue ser criada a prosperar.
Até que ele foi esmorecendo e anunciou que iria parar.
Lição: se não tivesse nada a dever, Flávio Bolsonaro simplesmente imploraria para o Coaf investigar suas contas.
E, assim, jogaria na cara de seus detratores a verdade.
Não teria de ver a cobrança do próprio Gentili, querido da família, sobre o caso Queiroz.

Por: Gilberto Dimenstein

Jornalista, educador e fundador da Catraca Livre.

1 / 8
1
03:23
Eduardo Bolsonaro será o embaixador mais caro da história do Brasil
Reportagem publicada na Folha de São Paulo nesta segunda-feira, 16, mostra que o esforço desesperado de Jair Bolsonaro para evitar …
2
05:04
Jornalista ‘canalha’ ensina interpretação de texto a Carlos Bolsonaro
Carlos Bolsonaro chamou jornalistas de ‘canalhas’, em novo post, no seu Twitter, nesta terça-feira, 10, após se justificar sobre seu …
3
03:50
Bolsonaro leva uma facada do seu filho Carlos no hospital
Enquanto começa a recuperação da cirurgia, Jair Bolsonaro vai ter que responder com urgência a facada que seu filho Carlos …
4
03:38
Aliança Bolsonaro, Edir Macedo e Silvio Santos vai acabar mal
A foto está em todos os lados: no jantar ontem no Palácio da Alvorada, Bolsonaro ao lado de Silvio Santos, …
5
02:40
A pornografia de Marcelo Crivella
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, mandou recolher todos os exemplares do gibi “Vingadores – A Cruzada das …
6
05:01
A paranoia de Bolsonaro com os seus aliados de governo
O presidente Jair Bolsonaro parece viver em um constante estado de alerta enquanto aguarda que algo ruim aconteça com o …
7
04:32
Um jeito provocativo de comemorar o Dia da Amazônia
O que você diria ao ver uma placa de vende-se em frente ao Parque Trianon, na Av. Paulista? O local …
8
03:44
Catraca Livre celebra em 7 de setembro o Dia dos Independentes
No dia 7 de Setembro, vamos comemorar o Dia dos Independentes com um show simbólico. Simbólico porque define o que …