Dimenstein: o único grande e grave erro de Bolsonaro em sua imagem

Bolsonaro se apega aos 30% da população que ainda consideram o seu governo ótimo e bom

Por: Gilberto Dimenstein Comunicar erro

Nós ficamos mostrando o número de bobagens e absurdos ditas por Jair Bolsonaro.

Não faltam exemplos, fazendo a festa da mídia e, especial, da oposição.

O fato: esses absurdos estão nos cálculos para garantir um nicho.

O nicho razoável: 30% ainda consideram o governo ótimo e bom.

Crédito: Carolina Antunes/PRBolsonaro se apega aos 30% da população que ainda consideram o seu governo ótimo e bom

A maioria da população não conhece a relação de desmatamento da Amazônia e aquecimento; nem sabe o que foi a ditadura; direitos humanos, na visão deles, é para proteger bandidos.

Poucos vão ao cinema. Portanto, tanto faz fechar a Ancine. Nem sabem o que é Ancine.

Como muitos não entendem os danos causados pela mistura de Estado e religião, até gostam a ideia de ter um ministro do STF evangélico.

Aliás, nem sabem o que é direito STF.

Imaginam que o PT e Lula, além da classe política, destruíram o país com corrupção –e Bolsonaro veio salvá-los.

Suspeito que ele imagina algo simples: manter esse nicho e, com o tempo, à medida que a economia ganhe um pouco mais de impulso, sua sustentação se manteria estável ou até, quem sabe ampliaria.

Seria o suficiente –deve pensar Bolsonaro– para ir ao segundo turno eleitoral.

Até lá talvez encontre um inimigo nas esquerdas.

Bolsonaro cometeu um único grande erro nesse jogo de imagens: indicar o filho Eduardo para embaixador nos Estados Unidos.

Argumento de Bolsonaro: “O indicado tem que ser filho de alguém, por que não meu?’.

O erro não é apenas indicação.

Mas o fato de que uma investigação O Globo mostrou que a família Bolsonaro empregou 102 parentes.

Muitos nem trabalhavam para ganhar salários altos.

Isso num país de 12 milhões de desempregados e de salários baixos.

A junção de Eduardo, sem qualificação óbvia (nem fala inglês direito), com as revelações do nepotismo, se infiltra nas bases de Bolsonaro, que odeia o PT pelo desperdício com dinheiro público.

A votação no Senado para aprovar Eduardo na embaixada vai envolver todo o país.

Ou seja, vira conversa de botequim.

É indefensável.

Adicione-se a isso que um dos seus principais aliados –Marco Feliciano– virou escândalo nacional por gastar R$ 157 mil no dentista –e com dinheiro público.

É imagem da velha política –aliás, velhíssima.

Por: Gilberto Dimenstein

Jornalista, educador e fundador da Catraca Livre.

1
02:44
Carta da prisão mostra suposto mandante da facada de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro publicou um vídeo na internet afirmando ter recebido uma carta com o nome do suposto mandante …
2
03:35
Assessor de Bolsonaro chama Coringa de esquerdista sem Deus
O filme do inimigo do Batman chegou definitivamente para colocar mais lenha na fogueira das discussões políticas. Que o diga …
3
02:46
Bolsonaro vai ter de engolir a Folha de S.Paulo sem água
Uma matéria publicada pelo jornal Folha de S.Paulo mostra que a Polícia Federal (PF) indiciou o ministro do Turismo, Marcelo …
4
02:43
Bolsonaro briga com novos métodos medicinais
A proposta que visa liberar o cultivo da maconha medicinal no Brasil segue em discussão na Anvisa (Agência Nacional de …
5
02:42
A novela de Adélio Bispo ganha um novo aliado
Mal assumiu o cargo de procurador-geral da República, Augusto Aras já mostra estar alinhado com Jair Bolsonaro ao aderir à …
6
02:49
Entenda por que Lula não quer sair da cadeia
O ex-presidente Lula reafirmou nesta segunda-feira, dia 30, que não vai aceitar a proposta feita pela força-tarefa da Operação Lava-Jato …
7
02:47
‘Gabinete do ódio’ de Bolsonaro gera crise entre seus filhos
No discurso para seu público, Jair Bolsonaro culpa a “grande imprensa” como a principal responsável pelo derrocada de sua popularidade …
8
04:16
Segredo de casa em Brasília envolve Eduardo Bolsonaro com blogueiro
O aluguel de uma casa em Brasília está cercada de mistério envolvendo o deputado Eduardo Bolsonaro. O cantor e compositor …