Dimenstein: sou judeu, mas agora sou muçulmano. E com orgulho.

Por: Redação | Comunicar erro

A matança na mesquita na Nova Zelândia, transmitida ao vivo pelo atirador racista, me faz sentir muçulmano, apesar de eu ser judeu.
Neste momento, sou muçulmano.
E todas as pessoas sensatas do mundo deveriam ser.
Ser judeu, para mim, significa ser contra a intolerância.
Nenhum povo sofreu tanto na história da humanidade como os judeus, perseguidos e humilhados em diferentes épocas e por diferentes países: da Inquisição na Espanha, passando pelos pogroms na Rússia, até na Alemanha com seu holocausto.
Veio daí minha ojeriza a pessoas incapazes de respeitar a diferença.
E que fazem da diversidade fonte de ódio – e não de riqueza.
Quando não nos tocamos quando a vítima é o outro, acabamos mais cedo ou mais tarde sendo a vítima.

Daí meu horror às milícias digitais que prosperam no Brasil.

Imagem da transmissão

Para os brasileiros, são duas matanças em seguida: os atiradores da escola em Suzano e, agora, na Nova Zelândia.

Está chocando o mundo que o atirador que matou 49 pessoas na mesquita da Nova Zelândia tenha transmitido tudo ao vivo.

São lugares tão distantes, culturas tão diferentes, mas, em essência, a matança na mesquita e na escola de Suzano fazem parte da mesma doença que se propaga pelo mundo.

A doença da intolerância e do ódio: a incapacidade de conviver com a diferença.

Tanto os atirador da Nova Zelândia com de Suzando são alimentados em fóruns digitais que pregam o ódio às minorias e à diversidade.

O assassino que transmitiu tudo ao vivo

Em um manifesto online divulgado pelo Twitter, o atirador listou nomes de líderes racistas americanos como seus heróis, descreveu o ataque como um ato terrorista e disse que transmitiria a ação pela internet.

O vídeo mostra uma pessoa carregando um fuzil em um carro.
Enquanto isso, ouvia uma canção chamada “Serbia Strong” (Sérvia Forte, em tradução livre), um cântico nacionalista sérvio que louva Radovan Karadzic, ex-presidente da Sérvia condenado por crimes de guerra e contra a humanidade devido ao massacre de Srebrenica, na Bósnia, em 1995.

O ódio contra o diferente não tem ideologia.

É apenas ódio.

Daí que nesta sexta-feira, dia sagrado para os judeus, sou muçulmano.

Compartilhe:

Tags: #News #racismo
1 / 8
1
04:53
Como a passagem de um livro virou uma música sublime
Numa passagem da obra-prima "O tempo e o Vento", de Érico Veríssimo, a protagonista Ana Terra se encanta com sua …
2
02:49
O sonho de uma cidade catraca livre
A Catraca Livre acredita que a educação e a cultura podem derrubar os muros do medo e construir pontes de …
3
03:44
O fascinante jogo de ilusão das pinturas corporais
Johannes Stötter é conhecido no mundo todo por seu surpreendente trabalho de body painting, pintura corporal. Antes de mais nada, vale …
4
02:28
Bolsonaro deveria ser processado por homicídio culposo
Está repercutindo no país o desfecho da morte da modelo Caroline Bittencourt. O empresário Jorge Sestini, marido de Caroline, será indiciado …
5
03:05
Um tanque de guerra que dispara conhecimento
Um tanque de guerra que dispara livros e conhecimento? Conheça o projeto de intervenção urbana "Arma de Instrução em Massa" …
6
04:41
Fãs de Heavy Metal e a música erudita de João Carlos Martins
O ex-vocalista do Angra, Edu Falaschi, resolveu comemorar os 15 anos do álbum “Temple of Shadows”, com uma turnê que …
7
03:54
A arte da improvisação: criatividade em alta velocidade
A arte da improvisação necessita de grande capacidade criativa do artista. A multi-instrumentista Carol Panesi consegue ouvir sons de estilos diferentes …
8
01:28
Menino inventa brinquedos e o resultado é surpreendente
Um menino de uma região pobre das Filipinas, país localizado no sudeste asiático, usou de sua criatividade para superar os …