Dimenstein: Veja revela desonestidade em conversas de Sérgio Moro

Revista traz diálogos inéditos mostrando que Sergio Moro "desequilibrou a balança em favor da acusação nos processos da Lava Jato"

Por: Gilberto Dimenstein

A revista Veja fez a mais completa investigação sobre as mensagens vazadas entre o ex-juiz Sergio Moro e os procuradores da operação Lava Jato.

Foram averiguadas pela reportagem 649.551 mensagens.

Conclusão.

“Fora dos autos (e dentro do Telegram), o atual ministro pediu à acusação que incluísse provas nos processos que chegariam depois às suas mãos, mandou acelerar ou retardar operações e fez pressão para que determinadas delações não andassem. Além disso, revelam os diálogos, comportou-se como chefe do Ministério Público Federal, posição incompatível com a neutralidade exigida de um magistrado. Na privacidade dos chats, Moro revisou peças dos procuradores e até dava bronca neles.

Trecho da reportagem:

“Do conjunto, o que se depreende, além de uma intimidade excessiva entre a magistratura e a acusação, é uma evidente parceria na defesa de uma causa. Os exemplos mais robustos vêm das conversas entre Moro e Dalla­gnol. Em 2 de fevereiro de 2016, por exemplo, o juiz escreve a ele: “A odebrecht peticionou com aquela questao. Vou abrir prazo de tres dias para vcs se manifestarem”. Dalla­gnol agradece o aviso. Moro se refere ao questionamento da Odebrecht à Justiça da Suíça a respeito do compartilhamento de dados, incluindo extratos bancários, da empresa naquele país. Grosso modo, a empreiteira tentou impedir que o Ministério Público suíço enviasse dados à força-tarefa. Preocupado com a história, Moro pede notícias a Dalla­gnol no dia 3. “Quando sera a manifestação do mpf?”, pergunta.”

“Estou redigindo, mas quero fazer bem feita, para já subsidiar os HCs que virão. Imagino que amanhã, no fim da tarde”, responde o procurador. No dia seguinte, Dalla­gnol informa a Moro que a peça estava quase pronta, mas dependia ainda da revisão de colegas. “Protocolamos amanha, salvo se for importante que seja hoje. Posso mandar, se preferir, versão atual por aqui, para facilitar preparo de decisão”, escreve. Moro tranquiliza Dalla­gnol: “Pode ser amanha”. No dia 5, prazo final, por volta das 15 horas, Dalla­gnol manda pelo Telegram ao juiz a peça “quase pronta”.

A situação é completamente irregular. Em vez de se comunicarem de forma transparente pelos autos, juiz e procurador usam o Telegram. Como se não bastasse, o chefe da força-­tarefa ainda envia a Moro uma versão inacabada do trabalho para que o juiz possa adiantar a sentença.

Por: Gilberto Dimenstein

Jornalista, educador e fundador da Catraca Livre.

1
03:38
Joice Hasselmann é a prova viva da doença mental de Bolsonaro
Joice Hasselmann não fez nada de errado em relação a Jair Bolsonaro. Como política, criou vários canais de diálogo, como …
2
02:21
Polícia Federal revela fraude do PSL
Uma operação da Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão nesta terça-feira, 15, em endereços ligados ao deputado federal …
3
02:44
Carta da prisão mostra suposto mandante da facada de Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro publicou um vídeo na internet afirmando ter recebido uma carta com o nome do suposto mandante …
4
03:35
Assessor de Bolsonaro chama Coringa de esquerdista sem Deus
O filme do inimigo do Batman chegou definitivamente para colocar mais lenha na fogueira das discussões políticas. Que o diga …
5
02:46
Bolsonaro vai ter de engolir a Folha de S.Paulo sem água
Uma matéria publicada pelo jornal Folha de S.Paulo mostra que a Polícia Federal (PF) indiciou o ministro do Turismo, Marcelo …
6
02:43
Bolsonaro briga com novos métodos medicinais
A proposta que visa liberar o cultivo da maconha medicinal no Brasil segue em discussão na Anvisa (Agência Nacional de …
7
02:42
A novela de Adélio Bispo ganha um novo aliado
Mal assumiu o cargo de procurador-geral da República, Augusto Aras já mostra estar alinhado com Jair Bolsonaro ao aderir à …
8
02:49
Entenda por que Lula não quer sair da cadeia
O ex-presidente Lula reafirmou nesta segunda-feira, dia 30, que não vai aceitar a proposta feita pela força-tarefa da Operação Lava-Jato …