PM preso pesquisava jornalistas que defendem direitos humanos

Por: Gilberto Dimenstein

O sargento reformado Ronnie Lessa, acusado pelas mortes de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, buscava na internet nomes de jornalistas que defendem os direitos humanos.

Agentes da Delegacia de Homicídios (DH) e do Ministério Público rastrearam todas as buscas feitas por Ronnie Lessa desde o final de 2017 até o início deste ano.

Marielle
Crédito: DivulgaçãoRonnie Lessa, à esquerda, e Elcio Vieira de Queiroz foram presos na terça-feira acusados pelas mortes de Marielle e do motorista Anderson

De acordo com os investigadores, os arquivos acessados pelo PM são considerados provas fundamentais de que ele arquitetou o crime.

Segundo o jornal “Extra”, entre as buscas do PM, há nomes de promotores que investigam casos de crimes cometidos por policiais, jornalistas que cobrem temas ligados a direitos humanos e políticos de esquerda.

O sargento reformado também fez buscas sobre a metralhadora MP5, apontada como a arma usada no crime.