Alunas se organizam contra proibição: Vai ter calça legging, sim!

A Escola Municipal de Ensino Fundamental Eduardo Prado, zona leste de São Paulo (SP) está sendo palco de uma iniciativa de protagonismo de jovens mobilizadas contra o machismo. Tudo começou quando a escola proibiu o uso de calças leggings. “O movimento começou exatamente quando a escola nos proibiu de usar [calça] legging na aula de educação física por conta dos meninos. Diziam que a calça marcava nossos corpos e que eles não se controlariam”, relata a aluna Larissa Martins. “Sempre culpam a vítima. É mais fácil nos proibir do que falar sobre o machismo”, opina Mayza Rodrigues, 13 anos.

Como estratégia para combater condutas machistas dentro da escola, criou-se o Movifemi, que espalha  cartazes com frases de protesto, faz debates sobre feminismo nas salas de aula e promove campanhas de conscientização e acolhimento de meninas. Segundo o coletivo, sempre que há alguma dúvida sobre assuntos relacionados à temática de gênero na escola, o Movifemi é procurado para ajudar na prática da igualdade de direitos dentro e fora do âmbito escolar.

De acordo com suas integrantes, o grupo atua de maneira independente há três anos anos dentro da EMEF Eduardo Prado e realiza visitas a escolas da região com o intuito de contribuir com o empoderamento de outras jovens. Atualmente, o movimento está se ampliando com o objetivo de manter as atividades mesmo quando as atuais participantes mudarem para instituições que oferecem ensino médio.

Na luta contra o machismo.
Na luta contra o machismo.

Confira a reportagem completa no Criativos da Escola.

Compartilhe: