Netflix: ‘Baseado em Fatos Raciais’, maconha e preconceito

Por: Jacqueline Cordeiro Comunicar erro

Já imaginou uma aula de história, regada à jazz, rap, vinil e maconha? Gostou? Então assista ao documentário “Baseado em Fatos Raciais” na Netflix.

Crédito: Reprodução/ Netflix 

O título em português já aponta o tema principal: como a erva se tornou parte de uma campanha política de demonização baseada em preconceitos raciais contra a população negra e latina nos Estados Unidos.

Quem dirige e narra o documentário é Fab 5 Freddy, grafiteiro que fez parte do grupo histórico “Fabulous 5”, cineasta, rapper e pioneiro do hip hop.

Crédito: Reprodução / Netflix 

Fab 5 vai traçando uma linha do tempo fazendo a conexão da maconha com a história da música americana, partindo do jazz e chegando no rap.

Através da narrativa e de depoimentos de artistas, ativistas e de famílias afetadas por injustiças, vamos percebendo a lógica perversa que foi construída ao redor da maconha para associá-la à cultura negra e latina com o intuito de demonizá-las e criminalizá-las.

Foram sucessivos governos cometendo injustiças, promovendo mortes e prisões. Imagine ficar preso por anos pelo porte de um cigarro de maconha.

No filme conhecemos o ponto de vista de figuras como Snoop Dogg, B-Real e Sen Dog do Cypress Hill, Darryl DMC, Damian Marley. O tema, que é bem pesado, tem seus momentos mais suaves onde se aprendem curiosidades do mundo da música e sobre história em geral e acompanhamos o entendimento do potencial de cura que a erva tem e a progressiva queda dos preconceitos no mundo todo dando lugar a conceitos científicos.

Crédito: Reprodução / Netflix 

Chegando ao momento atual o filme aponta que 36 estados americanos já se utilizam da maconha, de forma legal, com fins medicinais e 10 de maneira recreativa. A legalidade criou uma nova  indústria e muita gente agora ganha dinheiro com isso.

Crédito: Foto: PixabayCultivo legalizado da maconha

Depois que milhões de vidas foram destruídas nessa “guerra contra as drogas” a maconha vira negócio e é aceita. A pergunta que vem a seguir é: por que a maconha, um dia, foi proibida mesmo?

“Baseado em Fatos Raciais” propõe uma reflexão extremamente importante: mesmo com o comércio legalizado da maconha, a vida da população negra continuará afetada pelo preconceito e estigmatização construídos cruelmente pelo racismo criminoso.

O movimento em favor da legalização da maconha no mundo é uma realidade irreversível.

Cabe a nós buscar informação segura, científica e entender quais os verdadeiros riscos e benefícios em cada caso. O que pode ser bom para você, talvez nao seja bom para mim, mas conhecimento é certamente bom para todos.

Por: Jacqueline Cordeiro

1
04:50
‘Evelyn’: um filme sobre como superar uma tragédia familiar
"Evelyn" é uma história familiar que discute, sob um olhar extremamente pessoal e sensível, o reflexo de um suicídio na …
2
11:28
Netflix: 4 motivos para assistir o filme de Breaking Bad
Está ansioso para assistir "El Camino: A Breaking Bad Film"? Pode ficar tranquilo que a estreia mundial pela Netflix é …
3
04:44
Netflix: nova temporada da série ‘Explicando’ investiga a mente humana
https://youtu.be/W7LcbbWltb0
4
04:20
Netflix: “Life Animated”- uma história sobre autismo, Disney e amor
Hoje a dica do "Cultura em Casa" é um documentário lindo que vai surpreender você: "Life Animated". O filme conta a …
5
04:50
Netflix: “Indústria Americana” mostra choque de culturas
https://www.youtube.com/watch?v=VWbbLQ3xLNo Hoje a dica do "Cultura em Casa" é o documentário "Indústria Americana", lançamento original da Netflix. O filme mostra o …
6
05:26
Como os Beatles mudaram a minha vida — parte 3
Como seria o mundo sem a inovação e energia que a música ganhou pós-Beatles. Imaginou? E se as pessoas também …
7
06:05
Prepare-se: ‘Matrix 4’ vem aí com Keanu Reeves confirmado no elenco.
Você assistiu aos filmes da trilogia "Matrix"? Hoje a dica do "Cultura em Casa" é um convite para você mergulhar …
8
05:14
Como os Beatles mudaram minha vida: parte 2
Como seria o mundo sem a inovação e energia que a música ganhou pós-Beatles. Imaginou? E se as pessoas também …