CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

Conheça a dieta flexitariana, ideal para reduzir a carne no menu

Também conhecida como semivegetarianismo, prática pode até mesmo levar ao vegetarianismo ou ao veganismo -- mas aos poucos

Por: Redação
Crédito: Engin Akyurt/PixabayDieta flexitariana é ideal para quem quer reduzir o consumo de carne

Você é do tipo que admira os vegetarianos, mas não se vê sem um bifinho ou um churrasco de vez em quando? Então, este assunto pode ser de seu interesse. Há um estilo de alimentação, chamado de dieta flexitariana, que pode servir como uma transição entre sua rotina alimentar e o vegetarianismo.

Também conhecida como semivegetarianismo, essa prática que une os termos “flexível” e “vegetariana” pode ajudar quem deseja chegar ao vegetarianismo ou mesmo ao veganismo — mas aos poucos. As motivações são variadas: contribuir com os animais e o meio ambiente, melhorar a saúde de alguma forma ou mesmo cortar gastos.

A ideia consiste em abolir o consumo de carne em apenas algumas refeições durante a semana. É possível, por exemplo, aderir ao movimento Segunda sem Carne e, gradualmente, estender esse prazo a outros dias da semana.

Para estimular, invista em receitas deliciosas sem carne. Se você come fora, a dica é frequentar restaurantes vegetarianos, especialistas em pratos diferentes e saborosos. Agora, se suas refeições são feitas em casa, arrume um tempinho para conseguir empregar ingredientes naturais e pesquise em livros ou na internet as receitas que mais agradam seu paladar.

Vegetarianismo flexível

Mesmo após a redução considerável do consumo, ainda é possível comer pequenas porções de carne vermelha ou mesmo carnes brancas, como reza o semivegetarianismo. É como aquela história de beber um drinque socialmente: a dieta flexitariana permite que você vá a um jantar com amigos e coma o que todos estão comendo.

Crédito: Bogdan Korneker/PixabayDieta flexitariana é ideal para reduzir o consumo de carne

A American Dialect Society até mesmo considerou o termo “flexitariano” como uma das palavras mais úteis de 2003, e definiu-a como “um vegetariano que ocasionalmente come carne”.

Além de diminuir o consumo de proteína animal, o flexitariano também passa a se preocupar com métodos de produção de alimentos mais sustentáveis e menos cruéis.

“Os flexitarianos pesam 15% menos, têm uma taxa mais baixa de doenças cardíacas, diabetes e câncer e vivem 3,6 anos a mais do que seus colegas carnívoros”, garante em seu site Dawn Jackson Blatner, porta-voz da entidade American Dietetic Association e autora do livro “The Flexitarian Diet” (em português, “A Dieta Flexitariana”).

Cuidados

Vale apenas o lembrete: embora a dieta flexitariana possa até mesmo turbinar a ingestão de fibras, devido ao maior consumo de vegetais, o acompanhamento profissional na hora de mudar a alimentação é essencial. Médicos ou nutricionistas podem direcionar a dieta para que nenhum nutriente falte em seu prato.

“O flexitarianismo propõe um equilibro alimentar, combinando os benefícios de dietas onívoras com vegetarianas, proporcionando uma maior estabilidade nutricional, assim evitando carências e doses elevadas dos nutrientes que podem ser prejudiciais à saúde”, afirma estudo conduzido na Universidade Federal de Pernambuco. “Atua como um método alimentar menos prejudicial ao meio ambiente”, conclui, ainda, a pesquisa.

Observados os cuidados, ainda dá tempo de diminuir neste ano o consumo de carne, caso você queira. Quem sabe com um churrasco de vegetais no fim do ano?

Fonte: HSI

Compartilhe: