Equilibre-se
Equilibre-se
Equilibre-se
Equilibre-se

Equilibre-se

Dieta saudável pode aliviar sintomas respiratórios, diz estudo

Pesquisa se refere à asma e não diz respeito ao novo coronavírus; estudiosos acreditam que alimentação interfere na doença

Por: Redação
Crédito: Reprodução/Flickr/Instituto Nacional de Salud/EEUUDieta saudável pode aliviar sintomas respiratórios, diz estudo

De acordo com estudiosos, a boa alimentação é uma das maneiras de cuidar de nossa saúde. Uma dieta rica em fibras, verduras, legumes e frutas, por exemplo, pode aliviar sintomas respiratórios da asma. Pelo menos é o que diz uma pesquisa publicada na plataforma científica “European Respiratory Journal”.

O estudo não diz respeito à covid-19, mas constatou que comportamentos alimentares mais saudáveis ​​se associaram a menos sintomas de asma e maior controle da doença.

A asma é uma das doenças crônicas mais comuns no mundo e afeta cerca de 358 milhões de pessoas. Alguns de seus sintomas são tosse, falta de ar e chiado no peito.

Avaliação

Um questionário respiratório detalhado foi aplicado em 2017 a 34.766 franceses com mais de 18 anos. Deles, aproximadamente 25% relataram ao menos um sintoma de asma. Os participantes que tiveram alta ingestão de frutas, verduras e legumes –ou seja, alimentos com alto teor de fibras— tiveram um resultado “relevante para a prevenção primária e secundária da asma”.

Crédito: IStock/GettyImagesDieta saudável pode aliviar sintomas respiratórios, diz estudo

Foram avaliados os sintomas e o controle da asma e a qualidade dos dados da dieta com base em pelo menos três registros alimentares em 24 horas durante um período de oito anos, refletindo os hábitos alimentares dos participantes.

“Em resumo, nossos resultados corroboram a hipótese de que uma dieta saudável, um importante contribuinte para a boa saúde, também pode ser relevante na prevenção da asma e sua falta de controle”, concluiu o estudo. “Nossos resultados ampliam e justificam a necessidade de propagar continuamente recomendações de saúde pública para promover comportamentos saudáveis ​​de dieta.”

Em 2013, outra pesquisa relacionada à asma havia constatado que jovens que se alimentavam com frequência em “fast foods” eram mais afetados pelo mal. Publicado na “Science Translational Medicine”, o estudo analisou dados de 319.196 adolescentes (de 13 a 14 anos) de 107 centros em 51 países e 181.631 crianças (de 6 a 7 anos) de 64 centros em 31 países.

A conclusão foi a de que comer “fast food” três ou mais vezes por semana foi associado a um risco 39% maior de asma grave em adolescentes e 27% de risco entre as crianças.

“Por outro lado, a ingestão de frutas três ou mais vezes por semana foi associada a uma diminuição de 11% na prevalência de asma grave em adolescentes e 14% em crianças mais novas”, constatou Marina Reznik, responsável pelo estudo.