Estresse que vivemos hoje afeta o sistema digestivo

Especialista explica quais as reações que podem ocorrer e dá dicas de prevenção

Por: Redação
Ouça este conteúdo
Crédito: @Ari Alqadri/PexelsEstresse que vivemos hoje afeta o sistema digestivo

Desde que a pandemia começou, você chegou a sentir algum desconforto abdominal? Se sim, saiba que seu caso não é isolado. O estresse causado por situações como essa podem afetar nosso sistema digestivo, especialmente durante o distanciamento social, quando nos trancamos em casa e mudamos nossos hábitos alimentares.

“O estresse é um dos principais agentes causadores de problemas digestivos”, explica o cirurgião bariátrico André Augusto Pinto. Além de prejudicar a digestão, ele acrescenta a recorrência de problemas gástricos, alterações do hábito intestinal (e isso inclui diarreia) e síndrome do intestino irritável.

Da fome à cólica

Isso acontece porque, segundo ele, todo o sistema digestivo possui células nervosas e, como uma “via de mão dupla”, conecta-se diretamente com o nosso cérebro. O estresse ativa essas células nervosas de diversas formas, podendo gerar sintomas variados.

No estômago, a produção de ácido aumenta, o que pode causar azia, queimação retroesternal e dor epigástrica. Já no intestino, é a velocidade do trânsito intestinal que se eleva, ocasionando cólica e diarreia.

Podemos, ainda, perder o apetite ou sentir mais fome, o que nos leva à busca, principalmente, de alimentos calóricos que nos dão prazer, como sorvetes, chocolates e carboidratos em geral (quem nunca?).

“Pessoas diferentes têm respostas diferentes ao estresse”, diz o médico. “Não há como dizer com certeza como situações específicas afetarão nossa digestão.” Mas, a curto prazo, é possível afirmar que dores de estômago, náuseas e diarreia são sintomas bastante comuns. A longo prazo, doenças crônicas como gastrite e síndrome do intestino irritável –já mencionada acima– podem surgir ou ser agravadas.

Crédito: DivulgaçãoO cirurgião bariátrico André Augusto Pinto

A prevenção desses problemas passa por observarmos nosso organismo –e, claro, consultar um profissional de saúde. “Se um médico não consegue encontrar uma explicação física para seus problemas digestivos, talvez seja necessário acalmar sua mente antes de acalmar seu estômago”, orienta o especialista.

Ele indica perguntar ao médico se você é um bom candidato para frequentar terapias comportamental-cognitiva, interpessoal ou de relaxamento.

Para combater o estresse, faça sua parte comendo de forma saudável, exercitando-se regularmente e dormindo bem. “Problemas digestivos podem trazer uma mensagem que você pode traduzir como ‘viva bem’, ‘alimente-se bem’ e ‘aprenda a relaxar’”, resume o cirurgião.

Compartilhe: