Equilibre-se
Equilibre-se
Equilibre-se
Equilibre-se

Equilibre-se

Estudos relacionam gratidão à felicidade

Pesquisadores de diversas universidades dos EUA mostraram que o ato de ser grato faz o indivíduo mais feliz e menos propenso a doenças

Por: Redação
Ouça este conteúdo
Crédito: Eternal Happiness/PexelsPesquisas nos Estados Unidos relacionam gratidão à felicidade

Focar o pensamento em agradecer o que se tem, e não no que parece faltar, faz efeito direto na sensação de felicidade, e isso tem se mostrado em diversos estudos de instituições renomadas, como a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. A gratidão saiu oficialmente da esfera da espiritualidade para entrar de vez nas da ciência, da saúde e do bem-estar.

Nos últimos anos, muitos estudos se debruçaram no estresse, na raiva e em uma infinidade de sentimentos hostis e os relacionavam a implicações nocivas ao organismo –por exemplo, aumento da pressão arterial e suas consequências.

As investigações sobre os efeitos de pensamentos positivos são animadoras.

Gratidão e otimismo

Psicólogos da Universidade da Califórnia e da Universidade de Miami pediram para que voluntários, divididos em três grupos com focos diferentes (positivos, negativos e positivos e negativos), escrevessem eventos marcantes ocorridos durante sete dias por dez semanas.

Os que escreveram sobre eventos semanais positivos e mostraram gratidão ficaram ainda mais otimistas, se exercitaram mais e foram menos ao médico com queixas de saúde do que aqueles indivíduos dos outros dois grupos.

Dessa forma, os pesquisadores apontam que a gratidão, se cultivada por longos períodos, acarretaria benefícios biológicos, psicológicos e sociais perceptíveis e duradouros.

Crédito: Anna Shvets/PexelsPesquisas nos Estados Unidos relacionam gratidão à felicidade

Em outro estudo, realizado pela Wharton School, da Universidade da Pensilvânia, o agradecimento revelou resultados mais imediatos. Gerentes que passaram a dizer um simples “obrigado” aumentaram muito a produtividade de sua equipe de trabalho.

De acordo com um levantamento da Wharton School, esse tratamento de gratidão aumenta o senso de pertencimento dos funcionários e é importante para reduzir a rotatividade dos colaboradores.

No entanto, segundo pesquisa da mesma instituição, expressar gratidão em interações competitivas entre ambientes corporativos pode funcionar de forma diferente, desencadeando uma espécie de egoísmo e gerando propostas mais agressivas dos outros grupos. Produziria, assim, a sensação de que se pode abusar do grupo rival.

Portanto, agradeça ao que deve ser agradecido, mas sem cair na submissão.

Compartilhe: