Equilibre-se
Equilibre-se
Equilibre-se
logo

Equilibre-se

Ronco pode ser sinal de problemas mais sérios

Apneia obstrutiva do sono tem potencial para provocar sonolência diurna, hipertensão arterial sistêmica e mudanças metabólicas

Por: Redação
Ouça este conteúdo
Crédito: Burst/PexelsRonco pode ser sinal de problemas mais sérios de saúde; entenda

Além de incomodar e de trazer constrangimento a quem tem, o ronco costuma estar associado a questões de saúde respiratória e cardiovascular. Estima-se que um em cada três adultos sofra com esse problema.

Entre os fatores que levam à apneia estão a obesidade, amídalas e adenoide aumentadas e alterações craniofaciais.

A apneia obstrutiva do sono, chamada pelo nome genérico de ronco, tem como característica paradas respiratórias recorrentes enquanto o indivíduo dorme. Como resultado, há um som produzido pela obstrução da passagem do ar. Em casos leves, as pessoas nem percebem que foram acometidas pelo ronco durante a noite.

O ronco e a saúde

Esse processo da obstrução respiratória e do som produzido por ele, quando recorrente, mostrou associação à sonolência excessiva diurna.

De acordo com artigo publicado na revista “Cefac”, da Associação Brasileira de Motricidade Orofacial (Abramo), a sonolência pode produzir deficit de atenção, concentração e memória, aumentando, entre outras coisas, o risco de acidentes ao dirigir veículos.

Segundo o InCor, hospital público universitário especializado em cardiologia, pneumologia e cirurgias cardíaca e torácica, a apneia do sono também tem relação com doenças cardíacas.

Coração

Crédito: InCorImagem da via aérea superior mostrando região muito estreita propensa ao colapso durante a noite (linha amarela)

O InCor enumera três mecanismos pelos quais a apneia do sono pode causar doença cardiovascular.

As variações de oxigênio (hipoxia intermitente) contribuem para a chamada hipertensão arterial sistêmica e para aumentar o risco de AVC (acidente vascular cerebral).

A fragmentação do sono profundo, provocada pelas inúmeras vezes que o “roncador” desperta durante a noite, acarreta mudanças metabólicas que, em alguns casos, é capaz de fazer com que o corpo fique mais resistente à insulina.

Quando o indivíduo está com a garganta temporariamente obstruída, a pressão intratorácica dificulta a saída do sangue e produz estresse mecânico do coração. No InCor, 77% dos pacientes com hipertensão resistente tinham apneia obstrutiva do sono.

Como os fatores que produzem o ronco são variados, apenas um profissional de saúde pode avaliar e indicar o tratamento adequado a cada caso. Aparelhos, plantas ou remédios “milagrosos” vistos em anúncios de internet podem comprometer ainda mais a saúde de quem sofre por causa da apneia.

Compartilhe: