O filme é um marco do cinema francês e do erotismo na tela. “Os Amantes”, do consagrado diretor Louis Malle (1932-1995), será exibido no MuBE – Museu Brasileiro da Escultura – no próximo sábado, dia 10 de outubro, às 19h30. Neste mês, o Cine Clube MuBE – Aliança Francesa realiza o “Ciclo Louis Malle”, com alguns dos principais clássicos do cineasta.

Portanto, nas próximas semanas, o museu apresentará os filmes “Trinta Anos esta Noite” e “O Sopro do Coração”. Tudo gratuito, no auditório Pedro Piva do MuBE.

Confira abaixo a sinopse do filme, além de algumas informações sobre o diretor Louis Malle.

“Os Amantes”
Les Amants (França, 1958)

Direção: Louis Malle. Elenco: Jeanne Moreau, Jean-Marc Bory, Judith Magre, José Luis de Villalonga, Alain Cuny. Legendado. Preto e branco. Duração: 90 min. Drama. Classificação etária: 12 anos

Jeanne Moreau faz o papel de uma esposa do interior, obcecada por moda e cuja vida é bruscamente transformada por um jovem avesso à hipocrisia. Casada com Henri, homem autoritário e cáustico, Jeanne se cansa da vida provinciana. Nas inúmeras estadas na casa de sua amiga Maggy em Paris, ela conhece Raoul, que se torna seu amante. Henri, desejoso de conhecer os amigos de sua mulher, convida Maggy e Raoul à sua casa.

Voltando de Paris, Jeanne é ajudada por um desconhecido, Bernard, que se junta ao programa. No meio da noite, Jeanne e Bernard se reencontram nos jardins e se amam ardentemente. No dia seguinte, Jeanne decide acompanhar Bernard, abandonando o marido, o filho e o amante.

Louis Malle

Louis Malle nasceu em Thumeries (França), no dia 30 de outubro de 1932. Formou-se em Ciências Políticas, na universidade de Sorbonne, mas foi no cinema que se revelou para a França e para o mundo. No início da carreira, foi assistente do cineasta Robert Bresson e do pesquisador submarino Jacques Cousteau, com quem dirigiu o documentário “O Mundo do Silêncio”, vencedor da Palma de Ouro em Cannes, em 1956.

Ele dirigiu trinta longa-metragens, construindo uma carreira cinematográfica sólida, retratando filmes com temas polêmicos, críticos aos valores burgueses do século 20. Nos seus filmes, há temas como o suicídio (Trinta Anos Esta Noite, 1963), a liberação feminina (Os Amantes, 1958), o incesto (O Sopro no Coração, 1971) e a pedofilia (Menina Bonita, 1978). Suas obras sofreram, inclusive, cortes da censura.

Malle foi um dos poucos diretores franceses bem sucedidos em Hollywood.  Morreu em Beverly Hills (Estados Unidos), no dia 23 de novembro de 1995, vítima de um câncer.

“Cine Clube MuBE - Aliança Francesa” – Especial Louis Malle