Exposição fotográfica  relembra as salas de cinema da cidade de São Paulo dos anos 40 e 50, época áurea do cinema paulistano.  São quinze fotografias em preto e branco, quatorze pertencentes ao acervo do professor e pesquisador Máximo Barro, e uma da Cinemateca Brasileira, além de sete maquetes e um painel de 6 x 7m, que traz uma pintura em perspectiva remetendo a um dos períodos mais importantes da história cinematográfica d a cidade.

As imagens retratam a arquitetura das salas de cinema Ipiranga, Metro, Marabá, Marrocos, Ritz, Paratodos, Bandeirantes, Ópera, Olido, Art Palácio, Avenida e Broadway, da chamada Cinelândia Paulistana, localizadas no centro da cidade. Em 1910, as pessoas não mais admitiam que os filmes que italianos e americanos exibiam em grandes telas fossem projetados em teatros mambembes, subsolos, casas adaptadas ou anexos de igrejas. O público queria salas confortáveis, tela alta, salas de espera e luzes. O exterior do prédio precisava atrair as pessoas, fazendo da fachada um chamariz.

Por isso, as salas de São Paulo migraram para a Praça da Sé, Rua Direita e São Bento, até chegarem à Avenida São João, onde foi formado o centro da Cinelândia Paulistana.

divulgaçãoFachada do Cine Marabá em reforma

Créditos: Fachada do Cine Marabá em reforma

Fachada do Cine Marabá em reforma

Cinelândia Paulistana