O Sesc Consolação convidou artistas ligados ao tema do “corpo” e do “urbano” para ocupar alguns espaços do prédio com artes plásticas e performances como forma de marcar o Dia Mundial de Luta contra a Aids. O resultado é a exposição Corpo-Imunidade, cuja abertura acontece no dia 1º de dezembro.

O conjunto de trabalhos que compõe a exposição não tem uma intenção pedagógica, mas sim, um senso sublimatório, em que é possível vislumbrar reflexos que vão além do campo politicamente correto.

A idéia que engendra a exposição é oferecer leituras sobre o corpo atual, perscrutar e refletir sobre as imunidades, os limites, o espaço do corpo no próprio corpo, na exterioridade, sob a pele. O espaço sugerido é o da matéria e também o do espírito, este compreendido como plano metafísico, consciência da matéria.

Os artistas convidados  - Mônica Sucupira, Tika Tiritilli, Mariana Sucupira, Osvaldo Piva e Alex Hornest - falam e são vistos a partir de lugares culturais diversos, o que sugere a pluralidade como um dos ingredientes para o conjunto de leituras sobre as imunidades mais reivindicadas, sobre o estado do que é frágil, sobre “contaminações” inevitáveis para  o corpo. Para além dos limites da exposição física, importa o senso, ou valor moral, sobre o que se consegue conhecer e sublimar.

Corpo-Imunidade