Formado pela flautista Marília Macedo e Guilherme de Camargo nas cordas dedilhadas, o Duo Ornamentos promove uma viagem musical ao passado, interpretando obras dos períodos renascentista e barroco. Os instrumentos utilizados são réplicas dos instrumentos usados na época de cada composição, como diversos tipos de flautas doces, da mais conhecida flauta soprano em dó, passando pela flauta contralto e por modelos menos conhecidos, como a flauta renascentista Ganassi.

As cordas dedilhadas são representadas por instrumentos antecessores do violão moderno, como a guitarra barroca, a teorba e o alaúde. Da fusão dos timbres destes instrumentos surge uma atmosfera propícia para a interpretação mais adequada da música antiga, que dá luz a um repertório vivo e brilhante, permeado de algumas das mais belas melodias escritas na história da música.

Sobre os artistas

Marília Macedo - Flautas doces

Nascida em São Paulo, iniciou seus estudos de flauta doce e música antiga nos seminários de Música Pró-Arte de São Paulo. Participou de cursos e festivais em Campos do Jordão, São Paulo, Curitiba e Ouro Preto. Foi bolsista do Ministério de Educação da Holanda, no Conservatório Real de Haia, fez aulas com Ricardo Kanji e cursos de interpretação de música barroca com Frans Bruggen, além de cursos nas áreas de canto gregoriano, contraponto, harmonia, análise e história da música. Faz parte de vários grupos de músicas antigas como Folifonia, Paraphernalia, Quadro Carmina, La Fontegara e Duo Ornamentos, com os quais já se apresentou no Centro Cultural São Paulo, Teatro Municipal de São Paulo, Auditório do Bank Boston, Teatro Arthur Rubenstein, Anfiteatro da USP, Centro Cultural FIESP, Capela do Pátio do Colégio, MASP e Livraria Cultura.

Guilherme de Camargo - Cordas Dedilhadas

Mestre em musicologia e bacharel em música pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, aperfeiçoou seus estudos de violão com Edelton Gloeden e, em 1992, viajou para Holanda onde teve aulas com Hein Sanderinck (HOL) e Jorge Oraison (URU). Participou como instrumentista e arranjador da gravação de uma série de CD’s e vídeos em comemoração aos 500 anos do Brasil, sob a direção de Ricardo Kanji, com quem realizou concertos em Portugal por ocasião das “Jornadas Gulbenkian de Música Antiga”. Gravou ainda pela Paulus, um CD de choros em instrumentos barrocos, lançado em 2004.

Música erudita