O show faz parte do circuito do projeto Sons Urbanos, cuja proposta é levar música de qualidade feita, principalmente, por novos talentos do rock, blues, soul e pop. O repertório conta com canções autorais como Sangue Frio, Eu Sei, Desaparecer, Âncora e Cinderela.

Histórico do artista

Aos quatro anos de idade, o músico Libra já arriscava suas primeiras notas em um teclado. Suas influências iniciais passavam por David Bowie, A-Ha, Duran Duran e Depeche Mode. A adolescência foi marcada pelo peso do heavy metal e pela participação, como guitarrista, em bandas como Corpsegrinder e Endoparasites, que tocavam no bar Garage Art Cult, templo do rock underground carioca.

Na fase adulta, Libra montou um estúdio em seu computador e mergulhou na música eletrônica. Suas primeiras fitas demo foram gravadas em sua casa para, depois, integrarem o repertório do álbum Até que a Morte não Separe.

Esse primeiro CD contou com a ajuda do produtor e tecladista, Carlos Trilha, que trabalhou nos discos solos de Renato Russo. A arte do encarte ficou por conta da artista plástica Lia Renha, que criou o todo universo da minissérie Hoje é Dia de Maria, da TV Globo.

Libra nos sons urbanos