O ano de 1968 tornou-se um marco como símbolo da efervescência cultural, dos protestos contra as guerras e o autoritarismo, da afirmação da alguns valores e da contestação a outros, panorama refletido nas obras cinematográficas produzidas no período. Alguns desses filmes, que tornaram-se ícones de uma era em todo o mundo, compõem a mostra “1968: CINEMA, UTOPIA, REVOLUÇÃO!”, que a CAIXA Cultural  promove de 02 a 21 de dezembro. Os filmes são exibidos de terça a domingo, em três sessões, às 14h, 16h e 19h.

Com curadoria de Alexandre Sivolella Barreiro, Alvaro Furloni, Davi Kolb e Lígia Diogo, a mostra terá exibições de filmes em DVD, de terça a domingo, além da realização de um debate, no dia 12, com participação de Carlos Heichenbach e Domingos de Oliveira. A programação conta com títulos que hoje figuram como clássicos da historiografia, como “Teorema”, “2001: Uma Odisséia no Espaço”, “O Bandido da Luz vermelha”, “O Bebê de Rosemary” e “Era Uma Vez no Oeste” foram lançados justamente nesse ano, assim como os não menos cultuados e simbólicos “Memórias do Subdesenvolvimento”, “Barbarella”, “Yellow Submarine” e “Fando y Lis”  (veja abaixo).


1 - 2001: Uma odisséia no espaço, Stanley Kubrick, EUA  (Livre).
2 - Teorema, Pier Paolo Pasolini, Itália (18 anos).
3 - O bandido da luz vermelha, Rogério Sganzerla, Brasil (16 anos).
4 - Beijos proibidos, François Truffaut, França (14 anos)
5 - Memórias do subdesenvolvimento, Tomás Gutiérrez Alea, Cuba (14 anos)
6 - Fando y Lis, Alejandro Jodorowsky, México (18 anos)
7 - Era uma vez no Oeste, Sergio Leone, Itália/EUA (14 anos)
8 - O estranho mundo de Zé do Caixão, José Mojica Marins, Brasil (16 anos)
9 - Faces, John Cassavetes, EUA (14 anos)
10 - Primavera para Hitler, Mel Brooks, EUA (16 anos)
11 - O bebê de Rosemary, Roman Polanski, EUA (14 anos)
12 - High school, Frederick Wiseman, EUA (14 anos)
13 - Yellow submarine, George Dunning, EUA/Reino Unido (Livre)
14 - Edu, coração de ouro, Domingos de Oliveira, Brasil (14 anos)
15 - Partner, Bernardo Bertolucci, Itália (16 anos)
16 - Chronik der Anna Magdalena Bach, Jean-Marie Straub e Daniéle Huillet, Alemanha/Itália (14 anos)
17 - Barbarella, Roger Vadim, França/Itália (14 anos)
18 - Roberto Carlos em ritmo de aventura, Roberto Farias, Brasil (Livre)
19 - A noite dos mortos vivos, George A. Romero, EUA (16 anos)
20 - Simpathy for the Devil, Jean-Luc Godard, Inglaterra (16 anos)

O Cinema Brasileiro e 1968:  cinema como reflexo de um tempo?

Debate aberto ao público, composto por importantes diretores brasileiros e teóricos do cinema brasileiro (a confirmação das participações será informada no decorrer da mostra). O encontro será realizado dia 12 de dezembro, às 19h. São 60 lugares e as inscrições devem ser feitas pelo telefone (11) 3321-4400.

1968: Cinema, Utopia, Revolução!