Poesia e música, a criação de Paulo Leminski (1944-1989) toma o palco do Itaú Cultural nos dias 23 e 24, sexta-feira e sábado, com o show "Esta Noite Vai ter Sol". Tendo como anfitriã a cantora e baterista Estrela Leminski, filha dele com a poeta Alice Ruiz, o primeiro show conta com a participação especial de Moraes Moreira e de Miriam Maria; no outro, a presença é de Vitor Ramil e Edvaldo Santana.

Eles mostram parte da obra musical assinada pelo poeta, altamente representativa na música brasileira, mas pouco identificada pelo grande público. As apresentações integram a programação paralela à mostra Ocupação Paulo Leminski, que fica em exposição no Itaú Cultural até o dia 8 de novembro.

A proposta do show, segundo Estrela, é mostrar as facetas que compõem a obra musical de Leminski. O poeta teve letras musicadas por parceiros da época, como Itamar Assumpção e Carlos Careqa, e por artistas de gerações seguintes, como Arnaldo Antunes. Também compôs suas próprias músicas, interpretadas por Caetano Veloso, Ney Matogrosso e Ângela Maria, entre outros.

“Ele era um autodidata nessa área, mas compôs canções lindíssimas”, ressalta Estrela, que também é compositora, musicista, professora de música e também escritora. “Sempre busquei representar o Paulo Leminski na minha música. Já regravei várias composições dele, e musiquei alguns poemas, como Ímpar ou Ímpar”, diz ela. “Para mim é sempre um desafio fazer uma seleção do que devo apresentar de sua autoria, porque são muitas composições e sempre tem alguém sugerindo mais alguma outra coisa”, complementa.

Poeta-compositor

Com mais de 100 músicas gravadas – muitas ainda depois do seu falecimento –, Paulo Leminski foi um dos mais presentes compositores da década de 80 e 90. Além de Verdura, gravada por Caetano Veloso em 1981 no disco Outras Palavras, e Promessas Demais, que integrou a trilha sonora da novela Paraíso (Rede Globo), no ano seguinte, sob a interpretação de Ney Matogrosso, suas composições fizeram e fazem parte até hoje de uma vasta seleção musical.

De Ângela Maria a Arnaldo Antunes, a relação de intérpretes da música de Paulo Leminski inclui ainda Zizi Possi, Suzana Salles, Paulinho Boca de Cantor, Anna Toledo e o grupo A Cor do Som, que fez de Mudança de Estação uma de suas composições mais conhecidas do poeta. Entre os parceiros musicais, além de Moraes Moreira e Itamar Assumpção, estão também Carlos Careqa, Edvaldo Santana e José Miguel Wisnik.

A música de Paulo Leminski chegou também ao público infantil. Em 1984, ele e Guilherme Arantes assinaram juntos a trilha sonora do musical Pirlimpimpim 2, que foi ao ar pela Rede Globo, e que marcou época com canções como Circo Pirado, Xixi nas Estrelas, Frevo Palhaço e Viva a Vitamina.

“Não tinha como não ter esse show dentro da programação da Ocupação Paulo Leminski”, enfatiza Ademir Assunção, curador da mostra no Itaú Cultural. “Ele compôs mais de 100 músicas e ainda hoje é regravado ou tem seus poemas musicados. Acho que ele ganhou mais dinheiro com a música do que com a poesia. Mas era, sobretudo, um poeta, que tinha a palavra como seu centro”, complementa.

Convidados

Para estes shows, a compositora e musicista montou uma banda especial, com Du Gomide, compositor e multiinstrumentista, que integra as bandas Sereno, Loa, Universo em Verso Livre e Música de Ruiz; Estevan Sinkovitz, guitarrista, violonista e bandolinista, já produziu discos de Gero Camilo, Nô  Stopa, Rubi, Kléber Albuquerque e Luiz Gayotto; Mariá Portugal, baterista e compositora que integra as bandas Dona Zica e Trash Pour 4, e acompanha a cantora Fernanda Takai; Natalia Mallo, cantora, compositora, instrumentista e produtora musical, e vocalista das bandas Trash Pour 4 e Gato Negro; e, ainda, Teo Ruiz, cantor, violonista e percussionista.

Com eles, a cantora dividirá a responsabilidade de representar a música de Leminski com convidados especiais, cujas trajetórias musicais também são estreitamente ligadas às composições do poeta. Moraes Moreira, um dos convidados da sexta-feira, dia 23, por exemplo, foi um dos principais parceiros musicais do poeta em vida. Ao seu lado, ele assinou músicas como Baile no Meu Coração, Pernambuco Meu, e Decote Pronunciado, também com a participação de Pepeu Gomes.

Miriam Maria sobe ao palco na mesma noite representando outro grande parceiro de Leminski: o compositor paulistano Itamar Assumpção (1949-2003), com quem assinou composições como Dor Elegante, Filho de Santa Maria e Custa Nada Sonhar. A cantora integrou na década de 90 o grupo Orquídeas do Brasil, que acompanhava Itamar.

No show de sábado, 24, quem abre as participações especiais é Edvaldo Santana. O cantor e compositor conheceu o poeta em São Paulo, em 1989 – ano de seu falecimento – e com ele compôs músicas como O Deus­, com Ademir Assunção, que integrou o disco Tá Assustado? (1995), e Mãos ao Alto, do disco Lobo Solitário (1993).

Fechando o show deste dia, Estrela convida o compositor, cantor e escritor gaúcho Vitor Ramil, que também levou a admiração pelo poeta para o repertório do CD Tambong (2000), musicando o poema O Velho Leon e Natália em Coyoacan. A composição integrará o repertório do show.

Shows Esta Noite Vai ter Sol