divulgaçãoSambistas tocam no vagão do trem

Créditos: Sambistas tocam no vagão do trem

Sambistas tocam no vagão do trem

Um dos estilos musicais mais populares do país recebe no domingo, dia 30 de novembro, a partir do meio-dia, uma homenagem da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). Em alusão ao Dia Nacional do Samba, comemorado em 2 de dezembro, a empresa vai disponibilizar quatro vagões de um trem da Linha 9-Esmeralda, que partirá da Estação Grajaú até Osasco, num show ao vivo e em movimento, à base de muito cavaco, chorinho e pandeiro.

É o segundo ano que a companhia realiza o “Samba no Trem”. Nesta edição, o roteiro traçado pela CPTM e pelo Projeto Samba de Todos os Tempos, parceiro na organização do evento, começa com os artistas embarcando na Estação Grajaú, seguindo até Osasco. Na volta, o grupo descerá na Estação Socorro e de lá parte para a Praça do Samba, no bairro do Campo Limpo, local designado para o fim das atividades.

O evento reunirá músicos, compositores e cantores de diferentes comunidades da região metropolitana de São Paulo. O principal objetivo da iniciativa é difundir o samba, considerado por eles a mais autêntica expressão da música popular brasileira.

O surgimento da idéia

Criado pelo sambista Marquinho Dikuã, o projeto teve sua idéia baseada em iniciativa semelhante ao o que acontece no Rio de Janeiro.  Lá são cinco trens que partem da estação Central do Brasil com grupos de músicos em todos os vagões partindo em direção ao bairro Oswaldo Cruz, tornando-se para os cariocas, depois do carnaval, o maior evento de samba do ano.

Projeto Samba de Todos os Tempos

Formado em 2004, o núcleo conta atualmente com mais de 25 compositores; alguns já profissionais e outros próximos de serem contratados por gravadoras. O grupo reúne as mais diferenciadas gerações do samba, dos 12 a 74 anos, o que já rendeu ao projeto cerca de 90 canções próprias. A estimativa é que até o final do ano seja lançado um álbum com 40 faixas de músicos do projeto.

Além da parte musical, outras iniciativas sociais estão inseridas no Samba de Todos os Tempos. É o caso, por exemplo, do Recrearte, que por meio de trabalhos voluntários da comunidade, proporciona a jovens aulas gratuitas de futebol a aproximadamente cinqüenta crianças do bairro de Campo Limpo, na zona sul da capital.
As informações são da CPTM.

Samba no Trem