Instalado há sete anos em um sobrado do fim do século XIX, o Art  Hostel Rio é o maior albergue da cidade. O casarão de três andares tem capacidade para hospedar 120 hóspedes que, a partir de agosto deste ano, passaram a dividir o espaço com o grupo Teatro  de Maquinaria.

O grupo recebeu o convite do dono do lugar, Eduardo Ohm, para ocupar o espaço não só como sede, mas também para as apresentações - suas e de outros grupos, com uma programação batizada de territóRIO. “Eu vejo a carência de espaços que os artistas têm no Rio, então resolvi oferecer este. O nome do hostel já diz tudo”, diz Ohm.

E a Maquinária, que já tinha quase dois anos, mas ainda não tinha um lugar, aceitou o convite de pronto. A primeira peça para palco montada pela companhia, “O amor das 3 Laranjas”, que terá nova apresentação neste fim de semana, estreou ali mesmo, no terraço. “E nós já fizemos modificações, baseados nas opiniões dadas pelo público depois da primeira montagem”, conta Fabrício Moser, diretor do grupo.

Espaço aberto a todos os artistas

A chegada dos artistas, que ocupam o quarto 301, movimentou a casa. Ali, onde cada quarto tem nomes sugestivos,  como “Bossa Nova” ou “Grafite”, mostrou-se um lugar ideal para o  "movimento de ocupação"  territóRio, que abre as portas do lugar a vários artistas.

A entrada, onde acontecem as apresentações musicais, funciona também como uma galeria. No momento, estão exibidas fotos da Amazônia de Dani Remião. Um dos quartos, o maior deles, já recebeu um festival de curtas enviados por cineastas de todo o Brasil pela internet - o público se acomodou em beliches e os filmes foram projetados na parede. Até nos corredores já foram realizadas performances.

A ideia, segundo Fabrício, que também coordena o uso dos espaços por outros grupos, é servir como uma vitrine para artistas que não conseguem se apresentar em espaço convencionais, como teatros.

“O nosso objetivo é abrir espaço para os artistas mostrarem seus trabalhos,  fazer a arte entrar em contato com o público. Aos poucos, vamos também pensando em como podemos ampliar nossa interação com o entorno”, diz.

A casa tem capacidade para receber 60 pessoas por evento. Alguns têm entrada gratuita, outros custam R$ 12 ou R$ 6, com nome na lista amiga.

territóRIO