Com direção de Georgette Fadel, Quem não sabe mais quem é, o que é e onde está, precisa se mexer, abre a sede própria da Cia São Jorge para o público. A peça começa na rua e segue para o espaço do grupo, batizado de Casa de São Jorge, localizado na Barra Funda. A entrada custa R$ 20, estudantes pagam meia (R$ 10), mas moradores da Barra Funda pagam apenas R$ 5 (é necessário apresentar comprovante de residência).

A montagem, com direção de Georgette Fadel, fica em cartaz até 25 de abril, com apresentações às terças, às 12h e aos sábados, às 15h.

A pesquisa do projeto Intervenção Permanente, contemplada pela Lei de Fomento ao Teatro da Cidade de São Paulo, já dura 10 meses, e foi a oportunidade da São Jorge dar uma reviravolta também em sua forma de
encenação. Acostumada a trabalhar com elencos grandes, é a primeira vez que a trupe se apresenta com apenas três atores (além de Mariana Senne,estão em cena Marcelo Reis e Patrícia Gifford). Em pouco mais de uma hora de peça, o discurso do escritor alemão Heiner Müller é revivido pelos atores.

Direção– Georgette Fadel.

Elenco – Marcelo Reis, Mariana Senne e Patrícia Gifford.
Assistente de Direção – Paula Klein. Direção Musical – Luiz Gayotto. Direção de Arte –
Rogério Tarifa. Direção de Movimento- Lu Brites. Consciência Corporal- Érika Moura.
Direção de Produção – Carla Estefan. Técnica e Assistente de Produção – Taty
Kanter. Programação Visual – Sato-CasadaLapa. Fotos – Roberto Setton.

Quem não sabe mais quem é, o que é e onde está, precisa se mexer