A Passagem Literária da Consolação, passarela subterrânea que de ponto abandonado e perigoso se transformou em reduto de arte e literatura, se tornou um importante pólo cultural da cidade. Próxima ao prédio ainda vazio do antigo Cine Belas Artes, onde a Paulista encontra a Consolação, ela oferece boas opções para quem estiver atrás de livros e arte urbana.

Durante o mês de novembro, mais de dez artistas fixarão nas paredes da passagem uma série de lambe-lambes que compõem as exposições Entreplanos e Itinerância SP. Fazendo referência à vida das grandes metrópoles, ambas têm como objetivo refletir sobre a construção da identidade em uma sociedade pautada pela tecnologia.

As exposições foram idealizadas por Hélio Schonmann, que convidou artistas de diferentes lugares, com trabalhos variados e e complementares. A xilogravura de Camilo Thomé, por exemplo, contrasta com a técnica de ponta seca impressa sobre aquarela de Altina Felício, que, por sua vez, difere do óleo sobre tela de Antonio Carelli.

A exposição fica até o dia 30 de novembro. A Passagem Literária fica aberta de segunda a sexta-feira, das 7 às 20 horas, e aos sábados e feriados, das 10 às 20 horas.

divulgação

Créditos: divulgação

Os lambe-lambes representam uma das formas mais utilizadas na arte de rua

Lambe-lambes na Passagem Literária