Sem funcionar ou com medição de temperatura adulterada, os relógios de rua de São Paulo serão trocados por novos modelos, projetados pelos arquitetos Carlos Bratke e Ruy Othake. Abandonados desde o início da lei Cidade Limpa, os relógios foram recentemente alvo de uma campanha nas ruas, ganhando adesivos “Aqui o tempo parou”.

Divulgação

Créditos: Divulgação

Modelo projetado por Bratke

Os novos modelos serão instalados a partir de fevereiro de 2013 e devem substituir os antigos relógios totalmente até a Copa de 2014, quando São Paulo vai receber o jogo de abertura da competição. A maior parte dos relógios (90%) será do modelo de Bratke.

A empresa responsável pelos relógios vai pagar R$ 389 milhões à prefeitura para explorar publicidade nos equipamentos por 25 anos. Nos próximos dias, a cidade deve começar a retirar os relógios que não estão funcionando, que representam quase metade das unidades.