O usuário e/ou senha digitados estão incorretos.

Sozinho, homem planta uma floresta maior que 3 parques Ibirapuera

Na ilha de Majuli, na Índia, homem planta uma floresta cuja área é maior que a do Central Park (3,41 km²) e equivalente a mais de três parques Ibirapuera

17/04/2018 17:57

por Redação

Sempre podemos fazer mais pelo ambiente. Claro que há muito mérito em cultivar uma pequena horta urbana, por exemplo. Mas o que dizer sobre dimensões de feitos sustentáveis quando, sozinho, um homem planta uma floresta maior que o Central Park de Nova York?

Parece coisa de filme. Também é, na verdade, já que virou tema de documentários como Forest Man (homem-floresta), dirigido por William McMaster e que foi premiado até no Festival de Cannes, em 2014. Em cerca de 20 minutos – há duas versões, uma de 23 e outra de 16 minutos –, o filme sintetiza uma história que completará 40 anos em 2019.

Leia também: 'É minha missão de vida', diz paulista que plantou 23 mil árvores

Sozinho, homem planta uma floresta: é o indiano Jadav Payeng

Créditos: Reprodução/Forest Man

Sozinho, homem planta uma floresta: é o indiano Jadav Payeng

Jadav Payeng vive nas terras de Assam, no norte da Índia. Naquela região, o desmatamento de anos a fio deu cabo da biodiversidade na ilha de Majuli, a maior fluvial do mundo, banhada pelo rio Brahmaputra.No final da década de 1970, Payeng ainda era adolescente quando, orientado pelos anciãos de sua aldeia, resolveu ajudar a recuperar o verde da ilha.

Créditos: Reprodução/Forest Man

Disseram a ele que nada além de bambu vingaria ali

Se tivesse dado ouvidos a autoridades locais, talvez nem começasse a empreitada: elas lhe disseram que nada além de bambu cresceria no solo já infértil daquelas cercanias.

Ele plantou bambu também. Mas não só. Aos poucos, todos os dias, recompôs a riqueza natural de cerca de 550 hectares de terra, ou 5,5 quilômetros quadrados, uma área maior que a do Central Park (3,41 km²) e equivalente a mais de três parques Ibirapuera.

Créditos: Reprodução/Forest Man

Nesse caso, os bichos adoraram a ação do homem

Sua iniciativa em muito beneficiou a fauna do lugar. Tigres, elefantes e rinocerontes reencontraram ali seu habitat, e isso graças a um único homem. Nada mais justo que incorporar a floresta ao nome pelo qual é conhecido e que dá título ao documentário premiado.

Clique aqui e conheça o projeto As Melhores Soluções Sustentáveis.

Curadoria: engenheiro Bernardo Gradin, especialista em soluções sustentáveis.

Veja também

Filtro mantém frutas e verduras frescas por mais tempo

Celulares velhos protegem florestas do desmatamento ilegal

Mulher africana combate a fome com o empoderamento feminino

Unicamp ajuda na descoberta de enzima que come plástico

Cidade implementa uso de copo de café retornável

Composteira doméstica produz adubo em poucas horas