Palestra gratuita com o professor Stéphane Laurent, diretor de pesquisa do Institut National de L’Histoire de l’Art, em Paris, e professor do Departamento de História da Arte na Universidade Sorbonne – Paris I.

O mecenato artístico tem início na Antigüidade com personagens como Péricles, que deu apoio a programas monumentais e empregou artistas e arquitetos notáveis em seu ciclo, valorizando a cultura e seus agentes. Este sistema continuou durante o período gótico, Renascimento e era Clássica com líderes políticos e religiosos estimulando experimentações estéticas e as carreiras de grandes artistas. A idéia de coleção se desenvolveu e durante a última fase do período clássico do século XVIII, amadores e especialistas começaram a substituir o mecenato de Estado. Entretanto, as preocupações do Iluminismo intermediaram o desenvolvimento de um mercado de arte e de negócios de objetos de luxo através da constituição de museus e da educação através da arte. No século XIX, a importância do capitalismo e da democratização da cultura mudou a visão tradicional da arte, com a emergência de galeristas como Durand-Ruel, apoiando as novas formas de arte. Tal transformação reconstruiu os papéis do mecenato público e do mecenato privado de um modo mais sofisticado, a exemplo do caso de Bernard Arnault e com os Ministérios de Cultura, que se expandiram nos últimos 50 anos em todo o mundo.

Stéphane Laurent