A justiça do Reino Unido decidiu na sexta-feira, dia 28 de outubro, que os mais de 40 mil motoristas cadastrados na Uber daquele país poderão receber um salário mínimo mensal a partir de agora e também terão direito a hora extra. 

Esta decisão está diretamente ligada aos 19 funcionários da Uber que processaram a empresa e conseguiram comprovar o vínculo empregatício. Inclusive, eles ganharão dois anos de horas extras trabalhadas em feriados e qualquer período em que ganharam menos que um salário mínimo.

A empresa Uber irá recorrer da decisão

Créditos: Imagem de Divulgação

A empresa Uber irá recorrer da decisão judicial

Annie Powell, advogada dos 19 funcionários, disse em entrevista ao BuzzFeed que esta decisão da justiça foi "revolucionária e irá impactar não somente os motoristas da Uber, mas todos os funcionários que são classificados de maneira errada como trabalhadores autônomos e são negados direitos que deveriam ter.”

A Uber do Reino Unido irá recorrer a esta decisão da justiça do país, alegando que os funcionários podem criar os seus próprios horários e não têm obrigatoriedade de trabalharem exclusivamente para o aplicativo. Ainda segundo a empresa, a proposta do app seria conectar motoristas com clientes, diferente das companhias de táxis.