Créditos: Reprodução / Vidas Negras / ONU

A campanha tem a participação de vários artistas negros

No Brasil, os negros têm 12 vezes mais chance de serem assassinados do que os não negros, denuncia a Organização das Nações Unidas (ONU) no lançamento da campanha "Vidas Negras", que luta pelo fim da violência contra os jovens negros no país, no último dia 7 de novembro.

O objetivo da ação é sensibilizar a sociedade, os gestores públicos, o sistema de Justiça, o setor privado e os movimentos sociais a respeito da importância de políticas de prevenção e enfrentamento da discriminação racial.

Para a ONU, o racismo é uma das principais causas históricas da situação de violência e letalidade a que a população negra está submetida. Hoje, um homem negro tem até 12 vezes mais chance de ser vítima de homicídio no Brasil que um não negro, segundo o Mapa da Violência.

Além disso, sete em cada dez pessoas assassinadas no país são negras. Na faixa etária de 15 a 29 anos, são cinco vidas perdidas para a violência a cada duas horas. De 2005 a 2015, enquanto a taxa de homicídios por 100 mil habitantes teve queda de 12% entre os não negros, para os negros houve aumento de 18%.

Participam dos vídeos e demais materiais da ação os artistas Érico Brás, Taís Araújo, Kenia Maria, Elisa Lucinda e o Dream Team do Passinho. "Chegou a hora de acabar com o racismo que mata milhares de jovens negros todos os anos!", diz Taís Araújo no site da "Vidas Negras".

Assista ao vídeo da iniciativa:

  • Leia mais:

'Por que você me odeia?', questiona negro ao abraçar neonazista