Um grupo de alunos da Universidade Federal do ABC (UFABC) enviou ao Ministério Público Federal uma denúncia contra o apoio prestado pela instituição para a aluna Deborah Gonçalves Fabri, de 20 anos, que ficou ferida em um protesto.

PM joga bomba de gás lacrimogêneo pra dispersar manifestantes

Créditos: Imagem de Divulgação

PM joga bomba de gás lacrimogêneo pra dispersar manifestantes

Ela, infelizmente, perdeu a visão de um dos olhos ao ser atingida por estilhaços de uma bomba disparada pela Polícia Militar do Estado de São Paulo.

O apoio prestado a vítima, segundo a Universidade, foi de R$ 14,26 para buscar o pai da jovem na rodoviária, além de acompanhamento psicológico.

O grupo que fez a denúncia, apoiador do MBL (Movimento Brasil Livre), pretende que o dinheiro seja devolvido aos cofres da universidade. A alegação é que houve mau uso de recursos públicos, humanos e materiais ao apoiar a aluna por um fato que ocorreu fora do período de aulas.

Ou seja, devido ao posicionamento político da estudante que foi ferida pelo Estado, o grupo universitário acredita que não deve haver apoio à ela.

Já a Universidade Federal do ABC se defendeu dizendo que, conforme a Constituição Federal e seu Estatuto interno, "possuímos autonomia sobre a gestão financeira e patrimonial e cabe à Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários formular, propor e conduzir políticas afirmativas e as relativas a assuntos comunitários".

Agora, caberá ao MPF decidir se aceita ou não a denúncia.

Confira a nota oficial completa divulgada para a imprensa:

"Informamos que a Universidade Federal do ABC, assim como a imprensa, tomou conhecimento da investigação do Ministério Público Federal pelas redes sociais de internet, porém ainda não recebeu nenhuma notificação formal. Caso seja notificada, a Universidade prestará todos os esclarecimentos necessários para a investigação do caso pelo MPF.

Até o esclarecimento da situação, a UFABC respeitará o pedido da aluna por discrição e não divulgará mais dados sobre o caso."