E se vivêssemos numa sociedade matriarcal?

O curta-metragem "Majorité opprimée" (Maioria Oprimida), dirigido por Eleanor Pourriat, conta a história de um homem, pai de um bebê, que vive em um mundo altamente matriarcal, onde os papéis de homens e mulheres aparecem invertidos.

Em tom de sátira, o pai sai com o carrinho pelas ruas e é vítima de comentários sexuais ostensivos por parte das mulheres, cruza com uma mulher fazendo jogging sem camisa e acaba sendo vítima de um estupro.

Apesar de não existir a versão legendada do filme, as imagens bastam para transmitir o recado. Quando a opressão se inverte, fica ainda mais evidente, e situações às quais estamos "acostumados" se tornam alarmantes e em alguns casos beiram o ridículo.