Em vídeo publicado no Facebook nesta segunda-feira, dia 17, o prefeito João Doria (PSDB) anunciou a demissão de Soninha Francine (PPS), que estava à frente da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS).

O prefeito de São Paulo afirmou que a decisão foi baseada em uma "conversa altiva e elevada". "Não tive nenhuma decepção, ela continua a mesma Soninha que eu sempre gostei. Nós vamos colocar um pouco mais de força na gestão administrativa dessa secretaria, que é mais pesado, construção, obra", disse. "Tudo isso exige uma demanda que não está dentro do espírito da Soninha", acrescentou.

Soninha estava à frente da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS)

Créditos: Reprodução / Facebook

Soninha estava à frente da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS)

Soninha foi eleita no ano passado vereadora pelo PPS e agora irá assumir seu mandato na Câmara Municipal. De acordo com Doria, ela fará parte do Conselho de Gestão da Secretaria. Em seu lugar, entra Filipe Sabará, atual secretário-adjunto da pasta.

Durante o vídeo, a vereadora demonstra estar constrangida e só faz uma curta declaração ao final da fala de Doria. No Facebook, Soninha se manifestou sobre a saída da SMADS e declarou que foram "foram 175 dias incrivelmente intensos" de trabalho. Assista:

"Não correspondi ao ritmo do prefeito, e olha que eu ando rápido rs. Mas eu sou minuciosa, questionadora, (chata!), 'pessimista no pensamento e otimista na ação' (a tradução do Gramsci que mais me contempla)", escreveu a vereadora na rede social.

"Fico chacoalhando os alicerces para ter certeza de que sustentarão a estrutura; para que caia o que não está firme e consigamos reforçá-los na medida exata. Até porque tem coisas que exigem um pouco menos de pressa", completou ela.

João Doria não se manifestou sobre o ocorrido pelos canais oficiais da Prefeitura de São Paulo, apenas por sua página na rede social. A partir desta terça-feira, dia 18, Soninha volta à Câmara.

Veja o post na íntegra:

  • Leia também:

100 dias de João Doria: os retrocessos e avanços da nova gestão