As reclamações feitas nas redes sociais ganharam um marco: antes e depois de Isadora Faber. A corajosa iniciativa da garota catarinense de 13 anos, que criou um perfil no Facebook chamado “Diário de Classe” para denunciar os problemas de sua escola, inspirou uma série de outros “Diários” espalhados pela rede. Um deles é o “Diário de um Posto de Saúde”, que narra a dura vida de um pequeno Posto de Saúde da Família (PSF) em Goiânia.

Criado pela médica Luisa Portugal, o diário digital retrata as principais dificuldades do PSF, como a falta de profissionais de limpeza, de remédios, de proteções nas janelas, de lençóis, entre outras. A ideia surgiu quando Luisa tentou, sem sucesso, pedir melhorias à coordenação da unidade. Inspirada no Diário de Classe, ela criou o seu próprio meio de chamar a atenção. Hoje, com menos de um mês de existência, a página já passa dos 3.400 fãs.

A iniciativa é apoiada até pela coordenadoria da Estratégia de Saúde da Família de Goiânia, que reconhece as falhas e alega que novos investimentos serão feitos pela prefeitura.

“Eu não tenho a menor intenção de criticar político ou governo”, diz a médica de 25 anos. “Eu só quero tentar fazer alguma mudança, encontrar ajuda e que todos saibam dos problemas que a gente enfrenta aqui no posto de saúde”, explica.

Luisa Portugal

Créditos: Luisa Portugal

O Posto de Saúde da Família (PSF) onde Luisa trabalha, em Goiânia