Ampliado o pedido de petição online: pelo fim do auxílio-moradia não só de juízes e promotores, mas também de deputados, senadores, ministros do governo e todos que estão no Executivo, Legislativo e Judiciário e abusam deste benefício.

O auxílio pago a juízes, desembargadores, procuradores e promotores já custou R$ 5,4 bilhões aos cofres públicos desde 2014, aponta levantamento do Contas Abertas. Juízes como Sergio Moro e o novo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, Manoel de Queiroz Calças, recebem a gratificação mesmo sendo proprietários de imóveis.

Em março, a manutenção ou não do auxílio-moradia deverá ser votada no Supremo Tribunal Federal. O benefício causa indignação em boa parte da população, e cerca de 200 mil pessoas já se posicionaram contra o auxílio-moradia em mobilizações online. Entenda mais sobre o assunto

Juízes pedem para STF retirar auxílio-moradia da pauta