A Islândia é um dos melhores países do mundo para ser mulher, de acordo com o ranking do Fórum Social Mundial de 2015. Isso se deve, principalmente, à greve que as islandesas fizeram em 24 de outubro de 1975, dia em que 90% da população feminina deixou de trabalhar, fazer tarefas domésticas e cuidar dos filhos.

Nesta segunda-feira, dia 24, as mulheres se organizaram mais uma vez para protestar. Desta vez, elas saíram do trabalho mais cedo, exatamente às 14h38, para lutar contra a desigualdade salarial, que persiste na Islândia mesmo após a greve de 41 anos atrás.

As islandesas foram às ruas, mais uma vez, para lutar por seus direitos

Créditos: Reprodução/Twitter

As islandesas foram às ruas, mais uma vez, para lutar por seus direitos

O horário foi escolhido por um motivo em especial, já que o salário feminino, em comparação com o masculino, faz com que as mulheres trabalhem "de graça" a partir das 14h38. Por isso, neste horário, elas saíram e foram se manifestar na praça Austurvöllur, localizada na capital islandesa, Reykjavík.

Esse mesmo protesto acontece todos os anos no país europeu e a mudança no horário mostra que a situação tem melhorado aos poucos. Por exemplo, em 2005, o horário de saída do trabalho foi às 14h08; em 2008, 14h25. No entanto, para as islandesas, a igualdade salarial precisa ser atingida com urgência — e elas não vão desistir enquanto não terem os mesmos direitos do que os homens.

Confira algumas fotos e vídeos do protesto:

#kvennafrí #kvennafrídagurinn #freethenipple

Uma foto publicada por elinharpa (@elinharpa) em

Eins og þið sjáið þá er ég og vinkona mín Karó ekki sáttar #jöfnkjör #kvennafrí

Uma foto publicada por Una Magnea Stefánsdóttir (@una_magnea) em

Þessar voru með það á Austurvelli í gær #kvennafrí

Uma foto publicada por Drífa Baldursdóttir (@drifab) em

Hættum þessu rugli! #kvennafrí

Uma foto publicada por María Hrund Marinósdóttir (@mariahrund) em

Kjarajafnrétti strax! #jöfnkjör #kvennafrí

Uma foto publicada por VR stéttarfélag (@vrstettarfelag) em

#jöfnkjör #kvennafrí

Uma foto publicada por Dögg Matth (@dewiceland) em