Créditos: Oswaldo Corneti / Fotos Públicas

O período em que aconteceram mais mortes de motociclistas foi de madrugada

Cerca 30% das mortes no trânsito da cidade de São Paulo em 2017 envolveram motocicletas, com a vítima dirigindo ou na garupa, de acordo com dados do Infosiga. Segundo o levantamento, 746 pessoas morreram em acidentes na capital paulista. Das vítimas, 340 eram pedestres, 249 motociclistas e 90 estavam em carros.

O maior número de acidentes com motociclistas ocorreu na zona oeste da cidade. Na Avenida Escola Politécnica, que liga a Marginal Pinheiros até a Rodovia Raposo Tavares, no Butantã, foram 4 mortes de motociclistas ou garupas em um trecho de 1,3 km na altura da Avenida Corifeu de Azevedo Marques.

Além disso, o período em que aconteceram mais mortes de motociclistas foi de madrugada: 84 pessoas no total. Nesta segunda-feira, dia 4, foram três acidentes graves na capital, com 4 mortes. Duas das vítimas eram pedestres e duas estavam em motos.

Em relação aos ciclistas, o número de mortes cresceu 55% entre janeiro e outubro deste ano em comparação com o mesmo período de 2016. Foram 31 mortes, contra 20 no ano passado, informou o Infosiga. Embora tenham ocorrido em todas as regiões da cidade, a zona sul teve destaque: foram registrados 9 dos 20 casos.

No entanto, ao contrário do aumento de casos envolvendo as bicicletas, o total de mortes no trânsito diminuiu. Até outubro, 746 pessoas morreram nas vias da cidade, 5,8% menos que no mesmo período do ano passado.

  • Veja também:

Trânsito de SP tem quase três mortes diárias de janeiro a julho