Créditos: Divulgação

Patty Jenkins defendeu "Mulher-Maravilha" das críticas feitas pelo cineasta James Cameron

A cineasta Patty Jenkins, responsável pelo filme de maior bilheteria da história dirigido por uma mulher, o elogiado "Mulher-Maravilha", usou as redes sociais nesta sexta-feira, 25, para rebater as críticas do diretor James Cameron.

Cameron, diretor de filmes como "Aliens, O Regaste", "Titanic" e "Avatar" criticou o longa e disse que o filme era um retrocesso, além de chamar Mulher-Maravilha, , vivida por Gal Gadot, de uma heroína objetivada.

Em sua conta no Twitter, Patty Jenkins defendeu seu filme, que foi bastante elogiado por sua representação feminista de uma heroína e rendeu mais de 800 milhões de dólares nas bilheterias de todo o mundo.

"A inabilidade James Cameron para entender o que Mulher-Maravilha é, ou pelo que ela luta com todas as mulheres do mundo não me surpreende", disse a cineasta. "Por mais que ele seja um grande cineasta, ele não é uma mulher", decretou.

Em seguida, ela desconstrói o argumento utilizado por Cameron para minimizar o sucesso do longa. "Mulheres fortes são ótimas. (...) Se mulheres precisarem ser sempre difíceis, duronas e problemáticas para serem fortes, e nós não tivermos liberdade para sermos multidimensionais ou celebrarmos um ícone das mulheres por ela é atraente e amável, então nós não fomos muito longe, fomos?", questiona.

Patty Jenkins termina sua resposta falando sobre igualdade de gênero. "Eu acredito que as mulheres devem e podem ser absolutamente tudo que os protagonistas masculinos são", continuou. "Não há certo ou errado em mulheres poderosas, e eu acredito que as próprias mulheres que trabalharam no filme, gostaram dele e lutam por isso conseguem julgar sozinhas o progresso do filme”, finalizou.

Confira o comentário:

Filme da Capitã Marvel será dirigido e roteirizado por mulheres