Uma das cenas mais impactantes de "Mulher-Maravilha" é quando Diana sai de uma trincheira durante a Primeira Guerra Mundial e atravessa um campo vazio, sobrevivendo a vários tiros. Porém, se não fosse a insistência da diretora do filme, Patty Jenkins, essa parte que emocionou tantos espectadores poderia nem mesmo ter sido gravada.

Jenkins já havia mencionado essa resistência em relação à cena; mas algumas pessoas entenderam que foi a Warner Bros. que se opôs a ela. Em entrevista ao diretor Richard Donner, a americana explicou que, na realidade, foi sua própria equipe de gravação que ficou fazendo questionamentos, e não o famoso estúdio.

"Foi minha própria equipe que ficou em alguns momentos dizendo: 'por que você está fazendo essa cena? Ela nem está lutando". A Warner Bros. não deixou de apoiar a cena. Foi muito mais no processo que todo mundo ficou: 'para que é essa cena? Não há ninguém contra que lutar'", esclareceu a diretora.

Jenkins também deu a melhor resposta a essas perguntas: "eu continuei dizendo que [a cena] só se tratava [de Diana], e de mais ninguém". De fato, é nessa parte do filme que vemos a personagem realmente se tornar a Mulher-Maravilha; é até estranho pensar que ela poderia não ter sido feita.

A entrevista completa com Patty Jenkins pode ser vista abaixo (em inglês):

Diretora de 'Mulher-Maravilha' dá melhor resposta a James Cameron