Créditos: REX/Shutterstock/Deadline

Cannes, 2014

Uma Thurman acusou Quentin Tarantino por ter obrigado a atriz a dirigir um carro em condições ruins e ter provocado um acidente durante as gravações de Kill Bill. A declaração foi feita ao jornal The New York Times e o vídeo publicado, ontem, 05, no Instagram da atriz.

Há três dias, a artista falou pela primeira vez sobre as gravações, o assédio sexual de Harvey Weinstein — que vem sendo acusado por diversas atrizes em Hollywood — e qual foi de fato o motivo do rompimento da parceria com Tarantino.

Ela confirmou ter sofrido lesões permanentes no pescoço e nos joelhos. Na época, foi impedida de entrar com um processo contra os produtores e o diretor.

Durante a gravação das cenas, o diretor, insistiu para que a atriz a dirigisse um carro em alta velocidade. No seu perfil ela relata e reforça que o fato é indesculpável.

"Publico esse vídeo para deixar registrado junto com a matéria do New York Times, de Maureen Dowd. As circunstâncias deste evento foram negligentes num nível criminal. Mas não acredito que houve uma intenção maliciosa. Quentin Tarantino se arrependeu muito e continua com remorso sobre esse incidente e me deu essa filmagem anos depois para que eu pudesse expô-la, mesmo que provavelmente nunca se faça justiça quanto a este caso."

i post this clip to memorialize it’s full exposure in the nyt by Maureen Dowd. the circumstances of this event were negligent to the point of criminality. i do not believe though with malicious intent. Quentin Tarantino, was deeply regretful and remains remorseful about this sorry event, and gave me the footage years later so i could expose it and let it see the light of day, regardless of it most likely being an event for which justice will never be possible. he also did so with full knowledge it could cause him personal harm, and i am proud of him for doing the right thing and for his courage. THE COVER UP after the fact is UNFORGIVABLE. for this i hold Lawrence Bender, E. Bennett Walsh, and the notorious Harvey Weinstein solely responsible. they lied, destroyed evidence, and continue to lie about the permanent harm they caused and then chose to suppress. the cover up did have malicious intent, and shame on these three for all eternity. CAA never sent anyone to Mexico. i hope they look after other clients more respectfully if they in fact want to do the job for which they take money with any decency.

A post shared by Uma Thurman (@ithurman) on

Ela ainda ressaltou que Tarantino sabia  sobre a divulgação, e que inclusive cedeu o vídeo para que ela publicasse nas redes.

"Ele também fez isso com completo conhecimento de que isso poderia feri-lo e tenho orgulho por sua coragem e por ele tem feito a coisa certa. O ACOBERTAMENTO do fato é IMPERDOÁVEL. Lawrence Bender, E. Bennett Walsh e o notável Harvey Weinstein são solenemente responsáveis. Eles mentiram, destruíram provas e continuam a mentir sobre o dano permanente que eles causaram e, então, decidiram suprimi-las. O acobertamento foi feito com intenção maliciosa e que eles tenham vergonha disso por toda a eternidade", contou.

Ao site Deadline, Tarantino, disse que este é um dos seus maiores erros. Ele dirigiu Uma em duas produções de Kill Bill, além Pulp Fiction.

"Eu sou culpado, por colocá-la nesse carro, mas não pelo jeito que as pessoas estão dizendo que eu sou culpado disso. É o maior arrependimento da minha vida."

Ele ainda registrou que realmente sabia da vontade de Thurman em esclarecer o fato e cedeu a filmagem para que ela fosse finalmente publicada .

"Uma e eu falamos sobre isso, por um longo período de tempo, decidindo como ela iria fazê-la. Ela queria uma clareza sobre o que aconteceu naquele acidente de carro, depois de todos esses anos. Ela perguntou, eu poderia pegar a filmagem? Eu tinha que achar isso, 15 anos depois. Tivemos que passar por instalações de armazenamento, retirando caixas. Shannon McIntosh encontrou. Não podia acreditar. Não pensei que seríamos capazes de encontrá-lo. Estava claro e mostrou o acidente e as conseqüências."

Uma Thurman quebra silêncio sobre abusos de Harvey Weinstein