Entre petições, correntes, fotos de “humor”, mobilizações instantâneas e gatinhos, há páginas que realmente fazem valer a pena o Facebook. Um exemplo é o Colettivo, que se dedica a divulgar a arte independente e livre da forma mais democrática possível.

Artur Garcia

Créditos: Artur Garcia

Diversos desenhos e ilustrações fazem parte do "acervo" em constante transformação

Basta que uma pessoa envie seu material para que ele seja publicado na página. Como em uma grande estação por onde passam artistas de diferentes estilos, o visitante do Colletivo pode acabar encontrando fotografias, ilustrações, poemas, contos, crônicas, músicas e todos os tipos de formatos que vierem na cabeça.

A intenção é apostar na liberdade cultural e criar um espaço onde a divulgação possa ser feita e compartilhada com o maior número possível de pessoas.

“Queremos que todos tenham acesso à arte dos outros”, diz a página, “já que, como estamos acompanhando, há uma crescente de artistas que querem produzir arte e cultura. Queremos que o Colettivo sirva de mídia para que os artistas possam ser visualizados por canais maiores e aparatos midiáticos culturais maiores. Que todos possam contribuir com a arte do outro, dar sugestões, apreciar e criticar, se necessário.”

Para ter a arte publicada na página, é só entrar em contato pelo e-mail [email protected] 

Júnior Costa

Créditos: Júnior Costa

As fotografias do blog Memórias de um Diafragma são um exemplo dos trabalhos que podem ser encontrados na página