Às vezes, pode ser um pouco desconfortável, ou até mesmo gerar certo pânico, pedir vinho em um restaurante. Principalmente se o jantar for a dois.

Mas, a partir deste momento, toda essa preocupação vai cair por água abaixo, e aquele velho mito de que os vinhos mais caros são sempre melhores também! Com muita simplicidade e bom senso, confiram as dicas:

No momento em que a carta de vinhos lhe for oferecida por um funcionário da casa, olhe com calma e sem pressa. É muito interessante perguntar as preferências dos outros convidados que irão compartilhar a garrafa de vinho com você. A partir daí, você já terá um "norte" mais específico, como a uva ou o país que agradará a todos, por exemplo.

Caso tenha alguma dúvida, não hesite em chamar o garçom, maître ou sommelier (lembre-se: eles estão lá justamente para isso). Nesse momento, você já terá as informações básicas e preferências de todos que irão beber o vinho, então mencione-as para um desses profissionais. Rapidamente, ele lhe dará algumas opções, provavelmente de preços variados (é nessa hora que você descobrirá se as sugestões cabem ou não no seu bolso).

Se não "couber", não se intimide nem tenha vergonha, saiba que nem sempre os mais caros são os melhores. Existem vários fatores importantes a serem levados em conta antes de investir em um vinho muito caro - um deles é saber se a safra escolhida foi ou não um bom ano. De forma delicada, pergunte se há outra opção. Mostre qual dos vinhos sugeridos você mais gostou (de acordo com o preço) e peça mais rótulos parecidos. Faça isso apontando para a carta de vinhos, os outros convidados não precisam ouvir os valores. Com isso, o encarregado já saberá quanto você está disposto a gastar e dará mais opções nessa faixa de preço.

Com o vinho à mesa

Após escolhido o vinho, o sommelier trará a garrafa. Faça a conferência do rótulo, prestando atenção a detalhes como safra, uva, nome do vinho e produtor. Com tudo certo, o sommelier vai abrir a garrafa em algum lugar visível. Não estranhe se ele beber um “micro gole” antes de servir o vinho, trata-se de um procedimento para assegurar que o vinho não apresenta nenhum defeito.

Em seguida, ele apresentará a rolha a você. Apenas certifique-se, com a ponta dos dedos, se a rolha está molhada. Se estiver, é um bom sinal, pois significa que o vinho foi armazenado da maneira correta, na horizontal.

O garçom, então, lhe servirá uma pequena quantia de vinho para que você prove e confira, também, que não há defeitos. Alguns são bem fáceis de identificar: se você perceber que a rolha está um pouco para fora da garrafa, com certeza o vinho sofreu um superaquecimento, o que fez a rolha se expandir; quando o vinho apresenta aroma de papelão molhado, é o que os especialistas chamam de “bouchonné” (rolhado, em francês), defeito que acontece, em média, com três de cada 100 garrafas - um fungo se aloja na rolha e entra em contato com o vinho, contaminando-o.

Depois disso, se estiver tudo ok, peça que sirva o vinho. O serviço começará pelos mais velhos, mulheres, homens e, por último, você, que escolheu o vinho. No final, o mais importante de tudo é não ter medo nem vergonha na hora de pedir um vinho.

Se estiver com o espírito aventureiro, vá em frente. Com essas dicas, tenho certeza de que você vai surpreender na hora de pedir um vinho!

*Jô Barros foi reconhecida como Melhor Sommelière do Brasil em 2011 pela revista Prazeres da Mesa. Hoje ela é Sommelière do sonoma.com.br, um novo modelo de e-commerce que aproxima o consumidor com a vinícola. Sonoma oferece seleções semanais dos melhores vinhos e produtos gourmet, em quantidades limitadas, com preços muito abaixo do mercado.