O prefeito João Doria (PSDB) anunciou que irá repassar para a iniciativa privada a gestão financeira do Bilhete Único – cartão usado para o pagamento de 94% das viagens de ônibus.

A Prefeitura de São Paulo diz que, com a privatização, ela deixará de gastar cerca de R$ 456 milhões por ano com o gerenciamento financeiro do serviço, hoje a cargo da SPTrans.

Segundo os repórteres Rogério Gentile e Rodrigo Russo do jornal Folha de S. Paulo, a futura responsável pelo sistema precisaria, na prática, combater fraudes e repassar os valores arrecadados com a venda de créditos do cartão para as empresas de ônibus.

O modelo de remuneração de quem passar a explorar o serviço ainda não está claro.

Bilhete Único é utlizado por cerca de R$ 5,6 milhões de passageiros

Créditos: Reprodução / Facebook

Bilhete Único é utlizado por cerca de R$ 5,6 milhões de passageiros

A expectativa de Doria é que bancos, operadoras de cartões e empresas de benefícios participem da concorrência.

Programa de privatização

A medida faz parte do Plano Municipal de Desestatização que está sendo desenhado pela gestão Doria. Além do Bilhete Único, ele planeja conceder à iniciativa privada o autódromo de Interlagos, o estádio do Pacaembu e o Anhembi.

Leia a reportagem na íntegra.