Há alguns anos, o artista e ativista Eduardo Srur realiza, periodicamente, no entorno do Rio Pinheiros, em São Paulo, intervenções urbanas para chamar a atenção para questões ambientais e urbanas urgentes. Os paulistanos já se depararam com garrafas pet gigantes, caiaques de passeio navegando pelas águas sujas e escuras do rio e até mesmo uma carruagem do século 19, que causou comoção ao ser removida em 2012.

Divulgação

Créditos: Divulgação

Intervenção "Sobrevivência", de 2008

Mas para esse ano Srur está preparando uma ação diferente. Dessa vez, os próprios paulistanos poderão participar da exposição “Às Margens do Rio Pinheiros”, que será instalada na sexta, 19, com apoio da Associação Águas Claras do Rio Pinheiros. O projeto está em campanha no site de crowdfunding Partio até dia 18 de outubro com o objetivo de ampliar ainda mais a ação e ocupar as margens do rio com mais intensidade.

Os interessados que quiserem ajudar com incentivos de no mínimo R$ 30 receberão recompensas de acordo com o valor doado. Em alguns casos, Srur agradecerá com obras de seu acervo pessoal como gravuras, livros, fotos e camisetas.

Às margens 

Divulgação/Facebook

Créditos: Divulgação/Facebook

Uma das intervenções terá manequins realistas prestes a mergulhar no rio

A exposição “Às Margens do Rio Pinheiros” será composta de três intervenções urbanas distintas dentro de uma mesma temática. A primeira - nas pontes Morumbi, Engenheiro Roberto Zuccolo, Cidade Universitária e Eusébio Matoso - será um trampolim, com manequins realistas que lembram os tempos em que era possível nadar no rio.

A segunda, "Hora da Onça Beber Água", irá contar com animais infláveis gigantes e ficará em frente à estação de trem Pinheiros. Já a terceira, que recebeu o nome de "Portal", será composta de restos de esculturas e adereços utilizados em desfiles de escolas de samba para chamar a atenção para a foz dos córregos Uberaba e Jaguaré.

Todas as obras serão iluminadas por um sistema de captação de energia solar instalado próximo às margens do rio. A energia captada pelo sistema será devolvida à rede como compensação pelo que será gasto durante a montagem e para a iluminação noturna das obras.