A brasileira Gabriela Valverde, 31 anos, já visitou 54 países. Há dois meses a psicóloga baiana resolveu partir para um mochilão pelo Sudeste asiático. Ela já passou pela Tailândia, Myanmar, Laos, Camboja, Filipinas, Malásia e Indonésia. Mas, neste último, ela teve uma experiência nada agradável.

Na noite do último 18, após um desentendimento por falta de informação sobre visto ao desembarcar no aeroporto de Lombok, Gabriela foi impedida de entrar na Indonésia e banida por cinco anos.

Créditos: Reprodução/Viajando Com Gabi

A psicóloga baiana Gabriela Valverde no Camboja

Em um post publicado página “Viajando com Gabi”, no Facebook, Gabriela relatou que a confusão começou quando ela pagou US$ 35 ao pedir um visto de dois meses para permanecer na Indonésia. Mas segundo ela, na imigração, seu passaporte só foi carimbado para permanência de 30 dias. De acordo com o Itamaraty, brasileiros não precisam pagar nada para ficar até um mês no país.

Ao passar pela imigração, um atendente informou à jovem que antes do fim do primeiro mês, ela deveria pagar mais US$ 35 para prorrogar a estadia.

Créditos: Tanah Lot Temple, Bali

Gabriela em Tanah Lot Temple, Bali

“Fiquei confusa, pois entendi que havia pago US$ 35 pro visto de 2 meses e perguntei. Me explicaram que eu pagaria por esse e antes do meu mês terminar eu deveria ir ao escritório e pedir uma extensão e pagar novamente. Como estou mochilando pela Ásia, não esperava pagar mais do que US$ 35”, relatou a jovem.

Após o mal-entendido, ela então decidiu pedir o dinheiro de volta e ficar com o visto de 30 dias, com isenção de pagamento para brasileiros.

Os funcionários da imigração devolveram o dinheiro do amigo que a acompanhava, mas não o dela e informaram que isso não era possível porque o passaporte já havia sido carimbado.

Gabriela ainda tentou argumentar, mas sem sucesso. A imigração decidiu que ela seria enviada de volta a Kuala Lumpu, na Malásia (último país visitado por ela), e a deixou esperando a noite toda em uma sala do aeroporto antes de embarcar.

A jovem relatou ainda que foi obrigada a comprar uma nova passagem pela mesma empresa na qual tinha chegado –a AirAsia, mas isto só foi possível após 16h de espera. “Os funcionários da AirAsia chegaram e me falaram que eu ia ficar em uma sala até o dia seguinte, sem cama, que isso não era um hotel”.

Mas apesar de todo este transtorno, Gabriela contou ao Catraca Livre que pretende voltar à Indonésia, país, que segundo ela, é incrível.

“Peço que vocês compartilhem por aí, que contem aos amigos e aos viajantes da família. Para que outras pessoas não passem por isso. Enfim, a Indonésia é um país incrível, e espero um dia poder voltar. Não fiquem com medo, apenas se informem melhor. Tive experiências incríveis no país e recomendo demais. Povo incrível e comida deliciosa, um país é muito mais do que uma atitude de um cidadão”, afirma.

Com informações do "O Globo"