Agentes da Polícia Federal estão cumprindo nesta segunda-feira, dia 11, cinco mandados de busca e apreensão em São Paulo e no Rio nas casas de Joesley Batista e de Ricardo Saud, executivos do grupo J&F, na sede da empresa e na casa do ex-procurador da República Marcelo Miller.

Créditos: Rovena Rosa/Agência Brasil

Joesley Batista deixa sede da Superintendência da PF após prestar depoimento no dia 5/9

Também na manhã desta segunda, Joesley e Saud foram transferidos da Superintendência da Polícia Federal em São Paulo para Brasília. Os dois executivos se entregaram à PF no último domingo, dia 10.

A operação Bocca ocorre em cumprimento à ordem judicial expedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, que acolheu o pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de prisão temporária dos executivos. As informações são da repórter Marli Moreira, da Agência Brasil.

O nome “Bocca” refere-se a "Bocca della Verità", cuja característica é seu papel como detector de mentiras. “Desde a Idade Média, acredita-se que se alguém contar uma mentira com a mão na boca da escultura, ela se fecharia 'mordendo' a mão do mentiroso”, diz a nota da PF.

Os advogados de Marcello Miller afirmaram que o ex-procurador recebeu com tranquilidade o pedido de buscas no seu apartamento e colaborou apresentando tudo o que foi solicitado. Ele "ressalta que continua à disposição, como sempre esteve e sempre estará, para prestar qualquer esclarecimento necessário e auxiliar a investigação no restabelecimento da verdade", afirmam os defensores André Perecmanis e Paulo Klein.

Veja a íntegra da reportagem.

  • Leia também:

Joesley Batista, da JBS, pede desculpas aos brasileiros em carta