Um dos vilões da vida moderna, o estresse pode causar várias doenças, como hipertensão, diabetes tipo 2, alterações na tireoide e herpes (quando a pessoa já tem o vírus incubado).

O estresse também pode ser um fator decisivo quando o assunto é mau hálito. Ele provoca a diminuição do volume de saliva (hiposalivação) favorecendo a formação de uma placa bacteriana --uma espécie de camada esbranquiçada na língua, também conhecida como saburra.

Yawning tired woman

Créditos: Tharakorn/iStock

O estresse também pode ser um fator decisivo quando o assunto é mau hálito

Ansiedade, preocupações, excesso de trabalho, frustrações diárias e tensão provocam a diminuição do volume de saliva (hiposalivação), pois a atividade das nossas glândulas salivares depende do equilíbrio do Sistema Nervoso Central (SNC). O estresse provoca desequilíbrio no SNC, diminuindo a produção de saliva e favorecendo a formação de uma placa bacteriana - uma espécie de camada esbranquiçada na língua, também conhecida como saburra.

Esta camada é formada por restos de alimentos, células que se desprenderam da mucosa bucal e bactérias que se nutrem de proteínas. Durante este processo há uma forte liberação de enxofre, o que acaba provocando o mau hálito.

Já a halitose ligada às emoções é resultado de uma perturbação da homeostase orgânica, propriedade autorreguladora do organismo e que permite manter o estado de equilíbrio do corpo. Essa perturbação favorece a produção do hormônio ACTH que estimula as glândulas suprarrenais, responsáveis por fabricar substâncias que fragilizam os tecidos bucais e aumentam a acidez da saliva.

Com informações do Minha Vida