Dois terços da Grande Barreira de Corais, na Austrália, um dos ecossistemas mais ricos do mundo, já sofrem danos ambientais sem precedentes. É o que mostrou um novo levantamento aéreo, em que aparece o branqueamento dos corais na porção central da barreira.

Esse branqueamento acontece quando os corais sofrem mudanças ambientais e expulsam as algas que vivem em seus tecidos. A partir disso, eles perdem sua principal fonte de nutrientes e ficam mais suscetíveis à morte.

A Grande Barreira de Corais recebeu o título de Patrimônio da Humanidade pela ONU

Créditos: Arc Centre Of Excellence For Coral Reef Studies

A Grande Barreira de Corais recebeu o título de Patrimônio da Humanidade pela ONU

Em 2016, estudos mostraram que a parte norte também sofria com o problema. No total, os eventos impactaram um trecho de 1.500 quilômetros de recifes. O processo é reversível, mas a recuperação dos corais se torna mais difícil quanto mais impactado é o ambiente.

O Conselho de Pesquisa Australiana, do Centro de Excelência para Estudos de Recifes de Corais, analisou quase 800 recifes de corais em uma área de 8 mil quilômetros. Apenas a parte sul está relativamente intocada.

A Grande Barreira abrange milhares de recifes de corais na costa nordeste da Austrália. Em 1981, ela recebeu o título de Patrimônio da Humanidade pela ONU por sua biodiversidade, que conta com 400 tipos de corais, 1.500 espécies de peixes e 4.000 de moluscos.

Leia a reportagem na íntegra.

  • Veja também:

A Grande Barreira de Corais pelos 'olhos' de uma tartaruga