Embora as feiras de ciências sejam tema recorrente nos filmes norte-americanos, quase nunca mostram algo muito interessante. Até agora. Em um desses eventos realizados no Canadá, Daniel Burd, um jovem de 16 anos, desenvolveu uma substância que decompõe plástico em 3 meses.

Em seu projeto, Burd gerou uma combinação que diminui consideravelmente o milenar ciclo de vida do material. O jovem juntou dois tipos de bactérias que passaram a trabalhar juntas na decomposição do polietileno, polímero base da maioria dos plásticos, em uma velocidade surpreendente. Assim, os sacos plásticos estariam inteiramente decompostos em cerca de doze semanas, tornando-se apenas água e uma pequena quantidade de gás carbônico.

Segundo o jovem, o processo é muito simples. Só precisa do “fermento”, de um local para a decomposição, de micróbios e de sacolas plásticas para que o processo possa ser repetido em escala industrial.

Para fazer as sacolas de plástico que são distribuídas nos mercados pelo mundo são usados mais de 1,6 milhões de barris de petróleo por ano. Ao serem jogados fora, os 500 bilhões de sacos plásticos produzidos anualmente acabam se espalhando pelo planeta. Graças à descoberta de Daniel Burn, nós já sabemos um método para lidar com essa “praga”. Basta apenas a vontade de fazer isso.