Tarde de  25 de outubro, o jornalista Vladimir Herzog era encontrado morto nas dependências do DOI-CODI paulistano, aparelho repressivo do regime militar, sob a contraditória acusação de suicídio. Assim como Herzog, tantos outros jovens foram assassinados no país, sob a falsa alegação - já que esta era a melhor maneira que a ditadura encontrara para justificar parte dos crimes ocorridos entre 1964 e 1985.

Para relembrar os 38 anos de um dos mais marcantes e lamentáveis episódios dos "Anos de chumbo", o documentário "Vlado - 30 anos depois " remonta a trajetória do memorável jornalista - desde sua infância na Iugoslávia, fugindo da perseguição nazista, até a militância, envolvimento político e seu trabalho frente à direção de jornalismo da TV Cultura. O filme evidencia, sobretudo, o perfil fascínora do regime, baseado na série de horrores cometidos dentro dos porões da ditadura, silenciando as vozes que lutavam por democracia e liberdade .