Maycon Douglas Belem, de 22 anos, nunca achou que os recursos financeiros limitados pudessem impedi-lo de realizar seus sonhos. É com essa garra que o estudante de Brazlândia (DF), filho de um vigilante e de uma dona de casa, estudou por mais de um ano no Canadá e agora está prestes a começar a universidade nos EUA.

Aluno de escola pública e filho mais velho de quatro irmãos, o jovem da periferia driblou as dificuldades com a ajuda da família. Ele é fascinado pela língua inglesa então começou a vender marmitas (por R$ 10), trufas (R$ 1) e geladinho (R$ 1) para custear a viagem ao Canadá e, depois, pagar o aluguel e se alimentar enquanto esteve estudando inglês por lá em 2014.

Créditos: Reprodução/Kickante

Maycon vende marmitas e geladinho para custear curso no exterior

Maycon conciliava os estudos com um emprego em restaurante, além de trabalhos voluntários. Após um ano e quatro meses, voltou ao Brasil e já tem um novo destino. Em dezembro de 2016, o estudante iniciou o processo de aplicação para a Hult International Business School – escola de negócios na Califórnia. Em março de 2017 ele recebeu a notícia de que havia sido aceito na instituição, com bolsa de 60% para estudar por quatro anos.

Agora, juntamente com as vendas, o jovem criou uma vaquinha on-line para conseguir arrecadar o dinheiro que vai auxiliar durante o período de curso. Ele estima gastar US$ 29 mil por ano (cerca de R$ 93 mil) por isso a meta é de R$ 400 mil.

  • Também quer estudar nos EUA? A American University, em Washington, está oferendo bolsas de estudo com tudo pago em cursos de graduação em diversas áreas, como administração, psicologia, direito, comunicação, relações internacionais e artes. Saiba mais aqui

“Meu objetivo não é ir para outro país e ser um jovem ostentador que não sabe o valor das suas vitórias, pelo contrário, quero agarrar essa oportunidade única que me capacitará para trazer ao Brasil aquilo que nosso país precisa, jovens prontos e capacitados com visão social”, diz Maycon no texto da campanha.

E seus sonhos não param por aí: quer fazer pós em Harvard e ajudar outras pessoas, jovens como ele, que sonham e não tem condições financeiras.

Jovem que vendia banana frita passa em medicina: superação