Ela toca violão, compõe, interpreta, gosta de artes plásticas, mas de todo esse conjunto de coisas prefere mesmo é cantar. Ana Júlia Zambianchi leva o violão para a reunião com os amigos e já percebeu que a platéia chora quando ela solta a voz. Seu forte é tocar Bossa Nova com o violão dado pelo pai, também músico.

Ana Julia

Créditos: Ana Julia

Ana Júlia: canta e toca violão

Aos 17 anos, aluna do Colégio Indac e à beira das provas de vestibular, ela pensar em dar continuidade à sua carreira de música que começou há cerca de 5 anos – quando ganhou o primeiro violão. Foi nele que aprendeu a tocar sozinha aquilo que já ouvia dos gostos da mãe – Caetano Veloso, Chico Buarque etc.

Com o tempo conheceu outros artistas. Aprecia o repertório de Marisa Monte, Novos Baianos, Rolling Stones e, agora, começa a trilhar seus primeiros passos. Está à procura de uma banda para começar a tocar de verdade.

E se a música não der certo? Investirá nas Artes Plásticas – gosta de desenhar e pintar. Mas ainda assim, as artes visuais ficam em segunda opção - como hobby mesmo. “Não sei viver sem música. Ela tira a gente do cotidiano e nos envolve em sentimento. Se ela não existisse, não teria graça. Todo mundo ouve música, é uma necessidade”, disse a jovem.

Ouça a entrevista e uma música de Ana Júlia
[audio:http://catracalivre.com.br/audio/monoanajulia.mp3]

[audio: http://catracalivre.com.br/audio/monomusica.mp3]

Imagem Autor

Jornalista, amante da comunicação.

+ posts do autor